A CRUZ DELA*

Há anos, maravilhosos anos em que eu PENSAVA profundamente com o saudoso Dr. Fernando Subtil, que Deus tem, publiquei muitos textos PENSADOS no íntimo desta minha e vossa mente e acolitada pelo sangue vivo do meu coração. Dizia na altura que o que fazia falta era PENSAR. Hoje, também não se pensa; antes, eleva-se o prazer/ico.
Se os minorcas armados em políticos astutos (que faz a raposa?) tivessem conseguido ler alguns desses textos e PENSADO neles, ai tenho a certeza de que as contas (neste caso, não as do rosário) do país não seriam mistério e estariam sob controlo. Porque a FÉ e o pensamento movem montanhas, é possível transformar a banalidade em alta qualidade e produtividade. Até vou mais longe e afirmo que é possível sublimar a banalidade. E o futuro que cabe a Deus vai dar prosperidade própria ao nosso glorioso e sublime país, PORTUGAL.
Porém, meia dúzia de ditadores bem falantes e com trampolineiras habilitações académicas impostas por outros ditadores (sim, eles são donos da verdade?) alienaram congressos onde foram eleitos por cordeirinhos acagatados e impossibilitados de ruminar…
Este sistema democrático é, pelo que acima (ou supra) se refere, uma ditadura que perdura. Se houvesse HUMILDADE (igual a verdade, a autenticidade, a realidade, a objectividade, a veracidade, a…), por certo teríamos a mandar as pessoas mais humanas, mais capacitadas intelectualmente, mais geradoras de consensos. Como tem sido, não!
Por fim, ou por princípio, PENSEM neste meu poema:
Dentro de mim
percorre o madeiro
atravessado pela trave.
Amo a vida
na sua diversidade.
Procuro a caridade
dentro de mim
para chegar com verdade
ao fim.

Sou plural
no singular.
*crise