A culpa não é do Desporto (Parte II)

Os clubes e associações desportivas de Bragança como o Grupo Desportivo de Bragança; Futebol Clube Mãe d´ água; Pioneiros de Bragança Futsal Clube; Clube Académico de Bragança entre outras; representam as principais entidades de projecção da cidade a nível nacional, as que mais tem lutado para a promoção do desporto e de hábitos de vida saudáveis com uma inegável importância sociocultural a nível regional.

No entanto para promoção mais efectiva da cidade, dos valores desportivos, de um espírito Brigantino e de união; os clubes deverão competir em ligas de maior reconhecimento, de maior prestígio, o que não acontece com nenhuma dessas instituições actualmente. Alguns encontram explicação para esse facto na interioridade da nossa zona, um meio social e económico desfavorecido em relação a outros clubes de maior dimensão. No entanto se estivermos mais atento ao panorama desportivo nacional conseguimos encontrar o oposto, clubes em meio semelhante ao nosso com sucesso desportivo. 

Temos o caso do Mirandela a fazer uma excelente campanha na segunda divisão B, o Sporting da Covilhã actualmente a militar na segunda divisão nacional uma cidade com uma dimensão semelhante a de Bragança e que se encontra no interior de Portugal; a Associação Desportiva do Fundão do distrito de Castelo Branco actualmente na primeira divisão nacional de Futsal entre muitos outros. Mas afinal o que esta a falhar para essa falta de competitividade? 

Para que as nossas instituições passem a ser competitivas estas deverão ultrapassar essencialmente dois grandes problemas. O primeiro centra-se essencialmente na falta de cooperação entre essas instituições; como diz o provérbio popular a união faz a força. O segundo passa pelo planeamento dos clubes com base em objectivo imediatos, desprezando os objectivos a médio prazo que são fundamentais para o desenvolvimento dos clubes. A solução passa pela criação de uma entidade que funde todos os clubes da cidade numa entidade com condições para projectar a cidade a nível nacional. Parece absurdo? Mas esta opção estratégica por parte dos clubes para obterem melhores rendimento não é novidade. O Sport Lisboa e Benfica optou por essa estratégia em 1908 de forma a rivalizar com o seu eterno rival Sporting clube de Portugal, deu-se a fusão do Sport Lisboa com o Grupo Sport Benfica. Em 1892 o Newton Heath L&YR Football Club, uniu-se ao Ardwick AFC, para dar origem anos mais tarde ao Manchester United Football Club; o Inter de Milan e o AC Milan partilham o mesmo estádio apesar de serem rivais; estes são apenas alguns exemplos de sucesso de clubes que encontraram na junção a solução para o aumento da sua competitividade. A união das forças desportivas numa única entidade, juntamente com um planeamento estratégico coerente e em parceria com a CMB, deixando para trás um focar das atenções na competitiva regional e de um individualismo desmedido e passarmos a ver as coisas numa proporção nacional, para se atingir um dia um nível desportivo de maior qualidade, que a cidade de Bragança e seus habitantes merecem.