Dança… Bela...não Adormecida!...

No âmbito dos grandes ideais de vida, será importante ter em conta a motivação, a responsabilidade e o desafio, contextualizados em projetos significativos que despertem e valorizem os talentos e a inteligência, de modo a empreender, potenciando capacidades para levar por diante realizações que engrandeçam quem as executa, ou seja, os próprios e os outros.
Não obstante cada um ter o dever de descobrir e lutar por ele próprio pelo seu ideal, pelo que gosta, positivamente o faz feliz e valoriza transversalmente, o que implica esforço e compromisso, não será menos verdade que se torna significativamente importante a ajuda no despertar vocações, talentos, alegrias e questionamentos sobre o que fazer na vida e da vida, por forma a que a inerente descoberta contribua para que as pessoas sejam, o mais possível, FELIZES, sustentado o otimismo na vontade de SER e ESTAR…com prazer!...
Foi esta imagem, contextualizada num ambiente de ação/realização e valores, que transpareceu, na noite do passado dia 30 de Junho, quinta-feira, no Teatro Municipal de Bragança, durante e após o espectáculo levado à cena pelo Conservatório de Música e Dança, no âmbito do encerramento das atividades da Escola de Ballet, A Bela Adormecida.
Tal como já havia acontecido no ano anterior, devo confessar que fiquei “maravilhado”. Não porque a minha neta, a minha Ritinha, com apenas quatro anos, também integrasse, e bem, o elenco. Mas, sobretudo, pela qualidade do evento e pela valorização das crianças e jovens que nele participaram, com empenho, alegria e evidente satisfação do estar e bailar. Tudo fruto de um trabalho superiormente desenvolvido ao longo do ano, apesar de adversidades, contratempos e transtornos ao nível dos horários, que implicam um esforço acrescido dos progenitores e até de muitos avós, principalmente na deslocação escola/conservatório. Esta acrescida da dificuldade de estacionamento nas imediações das instalações do mesmo, antiga escola primária.
Com efeito, neste balanço final, não posso deixar de apresentar os parabéns a todas as pessoas que contribuíram para que as crianças e jovens envolvidas, da cidade/concelho de Bragança, pudessem superar as mais exigentes expetativas, até porque se trata de atividades que divergem positivamente de tradições regionais mantidas, bem menos dispendiosas para o município do que muitas outras… É que, mesmo não sendo o espectáculo gratuito e jogando a seleção nacional de futebol à mesma hora, não vi cadeiras vazias!...
Por isso, ao consoante das centenas de pessoas que encheram o teatro para assistir ao espectáculo, que engrandece, promove e valoriza quem o protagoniza, devo dizer que gostei, e muito.
Tratou-se, com efeito, de um verdadeiro testemunho criativo, cultural, interativo e amplamente participativo, que valorizou a formação, a educação, a fraternidade, a união e a cooperação. PARABÉNS!... A imagem foi Bela…mas não adormecida!...
Assim não “adormeçam” as entidades responsáveis por atividade formativa e cultural, no sentido de imprimirem sustentáveis dinâmicas e atitudes que a valorizem e dinamizem, convenientemente.