De quando em vez

As ligações aéreas e outras acessibilidades a Trás-os-Montes
 
No tempo presente apareceu um sistema, chamado “Low Cost”, (Baixo Custo), que já está institucionalizado por toda a Europa, e não só.
Em Portugal também, nos dias que correm, está a tornar-se quase um hábito, a utilização do sistema acima referido, especialmente, por aqueles que gostam de viajar rapidamente e com segurança.
Já existem muitas companhias aéreas a sulcarem os ares dos Céus Portugueses das rotas para os Açores e Madeira, e ainda, para vários destinos de capitais Europeias, cobrando preços inacreditáveis. Como exemplo de tudo isto, custa uma viagem Lisboa Porto (ida) 9.20€, havendo ligações deste teor três vezes por dia. É só preciso ir á Internet e ver a discrepância do valor de ontem e de hoje.
Há poucos dias, fomos ao Porto, procedentes de Lisboa, e aterramos no Aeroporto de Sá Carneiro cerca das 10 horas da manha, num percurso que demorou 40 minutos. Ali chegados utilizamos o Metro de Nome Andante que demorou também 40 minutos até á estação de Campanhã, onde chegamos ás 10.50 minutos e apanhamos o Comboio Expresso para a cidade da Régua saindo este ás 11.15 minutos, chegando a este destino ás 13 horas.
Eram 13.20 passamos então para um autocarro da Rodonorte que nos levou a Vila Real, onde chegamos ás 13.45.
No computo geral em termos de gastos: Avião - 9.20€; Metro 4€; Comboio 5€; Autocarro 3€. Total 21.20€.
Como se verifica pode-se alcançar Vila Real, Bragança ou Viseu também através do meio aéreo passando pelo Porto, ou então utilizando as ligações aéreas directas de Tires (Cascais), Viseu Vila Real Bragança.
Todos estes considerandos acima explicitados, procuram reforçar a imperiosa necessidade da manutenção de carreiras aéreas de e para Trás-os-Montes. Pelo que temos observado, tem aparecido alguns comentários quanto a nós correctos que a opção da não paragem em Lisboa (Aeroporto da Portela) causa problemas com o transfere dos passageiros para o aeroporto secundário de Tires (Cascais), o qual fica a uns bons 45 minutos de autocarro da Portela.
Nunca foi explicada a razão do avião ir para Tires e não para a Portela? E sair de Tires, para Viseu, Vila real, Bragança e também Portimão como ultimo destino.
È evidente, que o dispositivo anterior com a operação feita com as saídas e chegadas ao terminal 2 da Portela era muito eficaz, bastava só mudar da porta de saída dentro do edifício do Aeroporto de acordo com os destinos antecipadamente marcados.
Esperemos, que a paragem no Aeroporto da Portela, aconteça para uma melhor e mais completa utilização das carreiras aéreas da AEROVIP, actual responsável por estas ligações.