Matematicamente pensando: Boas práticas

O conceito de boas práticas tem sido largamente utilizado em diversos contextos e situações. No mundo tudo, ou quase tudo, está interligado e relacionado. Assim, quando se fala em boas práticas surgem diversas questões entre as quais: O que são boas práticas? Quem beneficia da sua aplicação? Quem fica prejudicado? Qual é o custo ou o benefício de uma boa prática? Qual é a relação entre o custo e o benefício? Não tentaremos responder linearmente às questões apresentadas, mas antes convidar a uma reflexão serena e sensata sobre a aceitação ou rejeição de uma boa prática.
Vamos considerar que no essencial uma boa prática consiste na melhor forma de realizar uma tarefa para atingir um determinado fim. Neste sentido, surgem vários manuais de boas práticas, associados à atividade humana, destacando-se entre outras, boas práticas associadas à alimentação, à higiene, ao consumo de água, ao ambiente, ao trabalho, à educação e à economia.
Seja qual for a boa prática que se queira seguir ou implementar, o primeiro passo deve assentar sempre na flexibilidade e no equilíbrio entre as várias dimensões que se consigam identificar e analisar em cada momento. Vejamos alguns exemplos:
- Trabalhar no dia de carnaval: não há dúvidas que se pensarmos que é uma boa prática trabalhar o maior número de dias por ano, sem a perda de direitos dos que o fazem, trará à primeira vista benefícios para o Estado e para os trabalhadores. Mas não haverá outras dimensões mais importantes que permitam interpretar este dia para além dos benefícios resultantes de um dia de trabalho pouco motivante e indesejado por grande número de pessoas? Assistimos a altas individualidades nacionais e com responsabilidades governativas a defenderem a promoção do turismo. Se pensarmos que o turismo é uma das atividades que mais pode beneficiar da publicidade e do envolvimento das pessoas em manifestações culturais, não tenho dúvidas que a obrigatoriedade de trabalhar no dia de carnaval provoca prejuízos que dificilmente poderão ser compensados para esta atividade. Quanto é que o país gastará em publicidade para compensar uma publicidade natural, alimentada por uma tradição de décadas com grande envolvimento das localidades? Desde as localidades mais pequenas às grandes cidades há manifestações culturais que ultrapassam largamente os limites geográficos dessas localidades e as do próprio país;
- Utilização dos sacos plásticos: a proteção do ambiente é uma obrigação de todas as pessoas e, obviamente, também de quem nos governa. Mas será com medidas tão radicais que protegemos o ambiente? Será adequado ir a uma farmácia e o consumidor ver o custo dos medicamentos aumentado, apenas porque os introduziram num pequeno saco de plástico? Será desejável comprar pão e trazê-lo na mão, exposto a todo o tipo de poluição, porque é necessário pagar o saco plástico que o pode proteger? Também surgem outras questões interessantes: de que forma devemos diminuir a poluição provocada pela utilização dos sacos plásticos sem aumentar o custo dos produtos? Que boas práticas devem ser seguidas ou adotadas para diminuir a poluição provocada pelos meios de transporte, pois consomem, geralmente, derivados do petróleo, altamente poluentes?
Outros exemplos poderiam ser salientados, mas o importante é existir tolerância e clareza por parte de quem toma as decisões para que o comum dos cidadãos possa entender as regras que tem de cumprir.
Criticam-se opções e não pessoas. Mas independentemente da cor política de quem nos governe as tradições, o conhecimento científico e a preocupação em fazer com que os cidadãos aceitem as decisões tomadas devem ser sempre considerados.
Em síntese, o conceito de boas práticas é dinâmico e admite várias perspetivas e interpretações conforme os contextos e as situações. No entanto, querer fomentar e utilizar boas práticas implica uma reflexão permanente relacionada com a inovação e a criatividade, conhecer modelos a seguir, a aprofundar e a melhorar e acima de tudo analisar com bom senso as consequências e as múltiplas dimensões que cada opção ou decisão pode ter para cada pessoa em particular e para a sociedade em geral.