A mente dá conta dela*

Visitando os meandros mais profundos da mente, descobre-se o PODER totalmente iluminado pela sapiência que emana de todo o corpo. A mente veste-se de rodas e percorre os órgãos apoiada no intelecto, na essência primeira. O cérebro, enquanto semente física, é caracterizado de diversas formas pela ciência que, nas partes essenciais, se torna impotente, uma vez que a ineficácia e o PODER não são mensuráveis.
Diz-se que é em várias partes do encéfalo que se misturam as células fundamentais para temperar os tecidos e penalizar as doenças que lá se alojam ou dele emanam. Quem “tira a tampa ao sonho” consegue debelar males terríveis, prolongar a vida, mesmo estando afectada por doenças mortíferas.
O mal não passa de uma semente que abortou por não ter encontrado terreno fértil, ou clima agreste por falta de glóbulos no sangue. Se uma semente cair em terreno rochoso não vingará, a não ser que seja daquelas que perfuram, que vão até às profundezas descobrir o precioso líquido. É sabido que a força da mente é uma forte combatente de cancros diagnosticados às vezes com pouco tempo de vida. Vem a propósito referir os preciosos contributos à ciência do médico divino e do médico humano. Até pessoas não crentes acreditam no poder destes dois licenciados em medicina e em teologia.
 “A verdade da mentira” é um verso para descodificar. Com efeito, se podemos questionar a verdade, do mesmo modo podemos questionar a mentira. Nem a verdade nem a mentira interpelam a mente, dado que esta, filosoficamente falando, só se move na dualidade, faltando algo para a trilogia, para a perfeição. Embebidos na terra, o que interessa é, pura e simplesmente, o AGORA, esse mentiroso presente mas que é o mais próximo da realidade conhecida. Assim, é neste âmbito que podemos saborear (concreto) os cinco sentidos, quase ao mesmo tempo. O prazer mais prazer é sentido pela vista, ouvido pelos canais nas abas da cabeça, apalpado pelo tacto, saboreado pela língua e cheirado pelo nariz, obviamente, estando este desobstruído.
Há vicissitudes na vida por nós sentida que atiçam lembranças rumo ao tempo, ao espaço e à acção. O tempo é redondo (passado/presente/futuro). O espaço anda também no esférico, como o cosmos? A acção gira à volta do tempo e do espaço, de tal forma que o vento, as nuvens e as águas se mantêm unas na imensa diversidade.
As nuvens são águas e o vento move tudo por causa delas.
Podem PENSAR que tudo isto não passa de blá, blá, blá, mas a universalidade provém da se/mente (substantivo e verbo mentir).É um facto que a mente dá conta dela*.  Tudo, tudo, mas tudo o que aqui é dito se baseia na vastíssima sensação de PENSAR. Imagine-se se esta capacidade que todo o ser humano possui, fosse utilizada só em prol do bem! Viver-se-ia num paraíso terrestre e o médico divino andaria constantemente a acariciar-nos com as asas.
É a pura VERDADE!

* Crise