Subsídio para suicídio

Neste início de férias em que o tempo cálido e ausente de notícias de relevo convida ao descanso e ligeireza, decidi partilhar com os leitores um episódio que apesar de estranho é verídico, estando devidamente registado e documentado no arquivo da correspondência da Fundação Calouste Gulbenkian. Corria o ano de  1987, Portugal tinha acabado de entrar para o Clube Europeu e os portugueses iniciavam-se numa arte que teria grandes e muitos aderentes: a obtenção de subsídio!
O poeta Joaquim Castro Caldas tendo acordado à noite, sereno, mas estremunhado, farto do mundo e de Portugal pensou matar-se. Seguindo a tendência já em voga, decidiu pedir um subsídio para tal. Não à CEE (na altura eram ainda poucas as atividades “culturais” financiadas por dinheiros europeus) mas à Gulbenkian, principal mecenas da cultura lusitana, à data. Dirigiu-se, obviamente ao administrador que supunha com maior sensibilidade para o tema, o, igualmente poeta, Pedro Tamen. Pedia um subsídio que qualificava de mísero, face aos fartos recursos da instituição, para que pudesse, com dignidade, dar continuidade a uma qualificada “tradição suicida”. Pretendia o poeta lisboeta por termo à vida a expensas da Fundação orçamentando detalhadamente toda a operação:
Cinquenta contos (o euro ainda não existia) seriam para comprar um revólver e vinte para as munições. Desejava comprar igualmente um cálice de cobre, um litro de cicuta bem como uma rodela de manga, não fosse dar-se o caso de se acobardar no uso da arma de fogo. Mas para garantir que mesmo assim ainda teria uma alternativa, não fosse o diabo tecê-las e falhar igualmente a segunda tentativa, propunha-se adquirir algum cianeto e uma boa dose de nitroglicerina.
Mas porque um evento com tão alto patrocínio não poderia resumir-se a ato banal e simples, queria o vate alfacinha assegurar a cremação do corpo e lançamento de cinzas ao Tejo, para que precisava de 500 contos a que juntava mais 250 para contratar vinte palhaços e mais 500 para se fazer acompanhar pela Banda dos Bombeiros Voluntários. Arredondando, um milhão de escudos chegaria.
Terminava a missiva com os agradecimentos e cumprimentos habituais.
 
Pedro Tamen respondeu-lhe.
Acusando a carta, “sem data, mas com lata” a solicitar apoio para uma morte com pompa esclareceu o requerente que não haveria dificuldade maior em enquadrar tal pedido num dos quatro fins estatutários da Fundação ou, quiçá em todos, concomitantemente. O problema advinha do facto de estar a Fundação a racionalizar custos e nesse ano estavam a ser recusados todos os pedidos de apoio para viagens, fossem quais fossem os destinos incluindo nestes, obviamente, o Céu, Inferno ou Purgatório e não podia abrir qualquer precedente que contrariasse as superiores diretivas do Conselho de Administração.
Terminava propondo-lhe a solução da corda, gancho e banquinho que por ser tão barata até a Secretaria de Estado da Cultura poderia subsidiar ou, em alternativa, atirar-se ao lago do Campo Grande desde que obtida a necessária autorização do Presidente da Câmara da altura, Nuno Abecassis.