Henrique Ferreira

Professor

Perdão sem redenção

O Papa da cristandade católica, Jorge Mário Bergoglio, Francisco de nome adoptado, foi à Irlanda e, mais uma vez, perante um povo em dúvida crescente sobre o catolicismo, pediu desculpa pelos abusos sexuais de muitos membros da Igreja Católica sobre menores.

E a descentralização à Bloco Central pariu um monstro burocrático

Foi publicada no passado dia 16 de Agosto, no Diário da República, 1ª série, nº 157,  pp. 4102- 4108,  a Lei 50/2018, denominada «Lei-quadro da transferência de competências para as autarquias locais e para as entidades intermunicipais».

Crise ético-social na administração da educação

 
Ao longo dos meus 66 anos de vida e de 44 de profissional da educação, nunca vi a administração desta área da administração pública atravessar uma tão grande crise de valores e de perda do leme no rumo a prosseguir.

Pobres professores, miserável sociedade

Abordo hoje o tema do estatuto sócio-profissional dos professores, na ordem do dia por causa da greve destes profissionais. O conceito de estatuto sócio-profissional é muito abrangente porque abarca as condições profissionais, as condições remuneratórias, os direitos, os deveres e, em geral, a carreira.
Escrevo de uma forma simples, para que todos me entendam, sobretudo os professores, uma das profissões mais complexas do ponto de vista da linguagem profissional.

Do direito a emigrar, a ser refugiado e a ser incluído

Antes de mais, uma saudação à Arábia Saudita e às mulheres sauditas. Estas já podem conduzir automóvel embora ainda não possam comprar nem registar as viaturas. Mas já é um avanço.
Agora, o tema de hoje: Do direito a emigrar, a ser refugiado e a ser incluído.
De entre os jornais nacionais de hoje (Domingo, 24-06-2018), Público, Observador e Expresso dedicam artigos de fundo a estes temas ainda que não orientados no sentido que o autor deste texto lhes dá.

A Geringonça em modo «Zé Cabra»

O Governo presidido por António Costa, resultante de um acordo Parlamentar com o PCP e o BE, em Novembro de 2015, entrou no seu quarto ano, enfrentando uma conjuntura externa e interna muito difíceis e desarticuladas.

Despenalização da morte assistida chumbou

Raramente a votação de um tema fracturante terá sido tão renhida na Assembleia da República (AR). Para mim, felizmente, o «não» à morte assistida ganhou.
Digo felizmente apenas porque não houve debate bastante e também porque entendo que a AR não tem mandato e, por isso, não tem legitimidade para decidir temas de consciência como aborto, eutanásia, casamentos homossexuais, uniões de facto e muitos outros. E que os que já estão deliberados estão, a meu ver, ilegitimamente deliberados porque todos eles têm de ser objecto de referendo vinculativo.

António Manuel FERREIRA DEUSDADO

 
Perfarão no próximo dia 21 de Dezembro 100 anos sobre a morte do investigador da área da educação e professor de Filosofia, História e Geografia António Manuel Ferreira Deusdado (Rio Frio, Bragança, 7 de Abril de 1958 – Lisboa, 21 de Dezembro de 1918).

Em memória dos mortos, feridos, prisioneiros e abandonados de La Lys

A participação portuguesa na I Guerra Mundial é geralmente identificada com o desempenho do Corpo Expedicionário Português (CEP) nas trincheiras da frente de La Lys, em França, entre o início de Outubro de 1917 e 10 de Abril de 1918.

Tempos de provação contra a «pós-verdade»

A análise dos tempos que vivemos desafia a criatividade colocando em confronto velhos, actuais e futuros critérios de interpretação dos fenómenos políticos e sociais, às escalas global, continental, nacional, meso-nacional, regional, local, comunitária e familiar. Parafraseando Bernard Charlot (1996), tudo se processa num vai e vem constante de interacções recíprocas entre o familiar e local e o global.