José Mário Leite

CONTRA O ESQUECIMENTO

Este sábado, dia 2 de julho de 2016 morreu Elias Wiesel. Elie foi um incansáel defensor dos direitos humanos denunciando o racismo e a violência por todo o mundo. Vítima do genocídio que o regime nazi levou a cabo na primeira metade deste século, esteve em dois campos de concentração onde perdeu a irmã, a mãe e o pai. Através dos seus livros deu-nos a conhecer os horrores cometidos pelo regime germânico antes e durante a II guerra mundial. Era seu intento divulgar e dar a conhecer para que não se repitam atos que a todos chocam e envergonham.

CRIME E CASTIGO

Ficou célebre o quadro de Ricardo Araújo Pereira e José Diogo Quintela fazendo de Marcelo Rebelo de Sousa e de uma jovem de Cascais “conversando” sobre o referendo ao aborto, mostrando, por redução ao absurdo que uma imposição legal que não tivesse consequências facilmente cairia no ridículo e facilmente seria desrespeitada. Se há uma norma mandatória e que se pretende que seja observada se nada acontecer a quem a não abservar, facilmente deixará de ter qualquer eficácia.

Do Público, do Privado e da Razão

A propósito da polémica entre o ensino público e privado e dos famosos contratos de associação já muita tinta correu e muita mais, aposto, correrá, voltando a emergir na opinião pública logo que a febre do euro 2016 tenha passado.

Germano Trancoso

O tórrido verão de 1975 fez parecer o escaldante verão de 1976 mais ameno. Germano Trancoso que gostava de disfrutar o frescume noturno que subia da ribeira da Vilariça em contraponto ao calor sufocante que escorregava das rochas graníticas da fragada, ouvindo os grilos, as relas e as cigarras no Barreiro que lhe prolongava o curral, nesse ano não o pôde fazer. Morreu em Maio desse ano, de causas naturais. Foi encontrado já cadáver na sua cama.

DE MATEMÁTICA EM PUNHO

As superbactérias são hoje um dos mais sérios desafios à saúde mundial como, aliás, refere a OMS no seu relatório de 2014 onde afirma que estamos a caminhar para uma era pós-antibióticos em que estes, tais como os conhecemos hoje, estão a perder, progressivamente, a sua eficácia. Sabe-se que o uso indiscriminado e desregrado destes medicamentos conduziu a esta situação.

Bom dia e bom trabalho

O CECD de Mira Sintra celebrou 40 anos de existência no salão nobre do Palácio Valenças, em Sintra numa cerimónia presidida por Basílio Horta autarca da vila Património Mundial da Unesco. O Centro de Educação para o Cidadão com Deficiência, baseado e orientado para o concelho sintrense, atende mais de 2.000 pessoas e já se estendeu para lá do seu território de origem. Neste seu aniversário resolveu distinguir os seus parceiros. A Fundação Calouste Gulbenkian foi homenageada como Cliente Socialmente Responsável. É verdade, caro leitor, não há engano.

(I) RESPONSABILIDADES

Que fique claro desde início que o direito a ser socorrido é absolutamente inquestionável. Qualquer cidadão que esteja em risco tem o direito a ser auxiliado por todos os meios disponíveis. Sem quaisquer restrições. Sem quaisquer economias. A proteção civil, os bombeiros e todas as organizações públicas ou privadas, militares, estatais ou da sociedade civil têm o dever de prestar todo o auxílio possível a quem dele precisar.

O VOO DA ÁGUIA

“O Reino Maravilhoso apenas existe se for visto do céu” garante-nos Francisco José Viegas no Prefácio da obra Miguel Torga – Diário Douro editado pelas Edições Caixotim.
O Poeta de S. Martinho da Anta subia ao miradouro da Galafura para, dali, junto da ermida de S. Leonardo, o libertador de escravos, mais que um panorama, contemplar o Excesso da Natureza do Douro e dos seus socalcos.

ALBERT EINSTEIN e CARLOS FIOLHAIS

Carlos Fiolhais é um dos maiores cientistas portugueses (é o cientista português mais citado), um excecional divulgador de ciência e, igualmente, um homem afável de trato fácil e um enorme sentido de humor. Tive o privilégio de falar com ele sobre um dos grandes poetas contemporâneos, António Gedeão que ambos admiramos e da sua “obra póstuma” publicada, curiosamente, em vida do autor. A conversa descontraída, no pátio de entrada do Instituto Gulbenkian de Ciência terminou com o investigador a falar longamente sobre física e, sobretudo, de Albert Einstein.

SALVE CLARA (Carta à minha neta)

Clara, minha querida neta,
Apesar da tua chegada recente e do contacto que já te foi proporcionado a várias maravilhas tecnológicas do nosso tempo, desde computadores a telemóveis, desde carros a aviões e outros espantosos produtos do génio tecnológico contemporâneo, queria apresentar-te um maravilhoso e contemporâneo utensílio, de qualidades e características excecionais: