Nuno Pires

Assessor principal de reeducação
anunopires@hotmail.com

Sentir Bragança…fora de Bragança!...

Na sequência de um convite que me foi dirigido pela Associação Portuguesa de Medicina Dentária Hospitalar (APMDH), participei, no passado dia 09/07/2016, sábado, no jantar anual daquela organização, que decorreu no Restaurante Rochedo, em Perafita, Matosinhos.

Dança… Bela...não Adormecida!...

No âmbito dos grandes ideais de vida, será importante ter em conta a motivação, a responsabilidade e o desafio, contextualizados em projetos significativos que despertem e valorizem os talentos e a inteligência, de modo a empreender, potenciando capacidades para levar por diante realizações que engrandeçam quem as executa, ou seja, os próprios e os outros.

Raul Morais, um izedense com história!...

Falar em Izeda, sobretudo no contexto histórico e sócio-cultural, e esquecer Raul Morais, é como “amputar” a conversa e desvalorizar um dos izedenses com mais identidade que, com postura invulgar, lutou pelas suas ideias, pela sua terra, pela sua região e pela razão. Diria que não conhecer o Raul Morais e a sua obra no contexto histórico literário da região de Izeda e até do Nordeste Transmontano é revelador de falta de qualidade formativa e sensibilidade cultural.

Mobilidade médica… De Bragança para o Algarve!...

A crise económica, social e financeira que nos vem afligindo nos últimos anos, tem potenciado muitas alterações e inúmeros problemas na transversalidade organizacional, que se refletem na gestão de recursos humanos e materiais.

Mãe, avó, bisavó… Saudade eternizada!...

Sentir a vida, vivendo-a nos múltiplos aspetos do ciclo pessoal ou familiar, só a experiência sentida potencia uma profunda introspeção reflexiva. Muitas vezes, para não dizer sempre, só quando o imprevisto acontece, nos faz “parar” e verdadeiramente nos estremece, é conseguimos dar o genuíno valor ao afeto e à materialidade da vida quando esta desaparece. Ter a perceção é, com efeito, bem diferente do que vivenciar a realidade da “perda” contextualizada na eternização da saudade, que nos sufoca na debilidade da emoção e da ansiedade.

Canídeos e gatídeos humanizados

Dada a pertinência do assunto em causa, não tenho dúvidas que a interpretação desta minha escrita suscitará controvérsia. Uns dar-me-ão razão, outros não. Respeito e aceito, natural e pacificamente, a diversidade de opiniões e ações.

O ENCONTRO com... D. António Montes Moreira!...

Porque se trata de um meio privilegiado de comunicação diocesana, escrevi, na semana passada, neste mesmo espaço, sobre o I ENCONTRO DE IDOSOS da Unidade Pastoral de Santa Maria do Sabor, da Diocese Bragança – Miranda. Entendia e entendo que deveria aproveitar este “púlpito” para deste inédito evento dar conta à comunidade. E as ideias criativas, bem como os objetivos, além de terem sido, globalmente, bem recebidas e positivamente correspondidas, foram presencialmente vividas e sentidas.

Celebrar o ENCONTRO!...

Num mundo onde não é fácil promover a convergência positiva e a união significativa, em que, muitas vezes, as pessoas se identificam sem se conhecerem e vivem sem harmoniosamente conviverem, torna-se importante criar condições e empreender realizações que potenciem o “ENCONTRO” e o salutar convívio, num contexto de vida ativa, decorrente uma ação criativa e participativa, que se dirija ao coração das pessoas, sobretudo idosas, as alegre, as conforte e encha de paz.

Tradicionais (já) pouco populares!....

Sobretudo a rapaziada do meu tempo e anteriores, quem não lembra das épocas em que as horas livres eram, essencialmente, ocupadas com na realização de jogos tradicionais, cujas regras se vinham perpetuando na memória das gerações?!...
Nessa altura é que, verdadeiramente, se podiam confundir entre tradicionais e populares, porquanto a tradição se manifestava no sentir e viver do povo, no seu todo, tornando-se, naturalmente popular.

D. José Cordeiro visitou o jornal “A Sineta”

Inserida no âmbito da sua ação pastoral de proximidade, não poupando esforços para cumprir a MISSÃO, e viver, de forma ativa e participativa, na construção da comunhão entre todos, o Bispo da Diocese Bragança – Miranda, realizou, no passado dia 15 do corrente mês de Abril, uma visita à vila de Izeda.