Nuno Pires

Assessor principal de reeducação
anunopires@hotmail.com

O conforto de não fazer NADA!...

Viver é um constante desafio, nomeadamente para quem pretende dar um verdadeiro sentido à vida, de forma coerente, ativa e humanamente participativa. Ou seja, contextualizada num autêntico sentido de AÇÃO e MISSÃO. Criar e enfrentar desafios, deve, com efeito, fazer parte da vida de todos e de cada um, de modo a influenciar positivamente os seus ambientes. Empreender é uma tarefa que nos deve mobilizar constantemente, exercendo-a com paixão, sustentabilidade, honestidade, humildade e determinação.

O Festival e o desenvolvimento transversal!...

Fazendo parte da tradição gastronómica nordestina, o Butelo e as Casulas, tendo em conta a divulgação/promoção que tem sido feita, potenciaram já a realização de um festival. Trata-se do Festival do Butelo e das Casulas que parece já ser interpretado como um evento tradicional, que passou a ter lugar em Bragança, por altura do Carnaval.

Agir…servir…partilhar…confraternizar!...

Já se tornou muito comum referir que o mundo atual vive, transversalmente, difíceis situações de crise humanitária, a vários níveis, sobretudo ao nível dos valores, sendo o da solidariedade um dos mais significativos e, provavelmente, dos menos compreendidos e sentidos. Há muitas mãos estendidas, muitas pessoas carecidas, muitas situações incompreendidas.

Celebrar Natal…penitenciariamente!....

Apesar de ultrapassada a data, 25 de Dezembro, estamos, ainda, a viver o período de celebração do Natal. Nesta quadra reforça-se a valorização da afetividade e agudiza-se a fantasia positiva, contrapostas, infelizmente, tantas vezes, com a materialidade e a vaidade. Como se o Natal das prendas, fosse mais valioso que o Natal da Fraternidade. Não deixa de ser importante que o espírito natalício, deva acontecer no quotidiano de todos e de cada um, sustentado num ambiente de solidariedade, sem temporalidade, de urbanidade com justiça e de caridade com vontade.

Origens e testemunhos!...

É comum ouvirmos “desabafar” que a vida é uma passagem breve e que, por conseguinte, devemos aproveitá-la na medida do possível, sobretudo como testemunhos vivos e sentidos da promoção da interação afetiva, da cidadania e da identidade. Importa, por isso, que valorizemos tudo o que promove as saudáveis vivências espirituais, afetivas, laborais e sociais.

Chutar Aqui… há trinta anos! …

Está quase a chegar ao fim o ano em que O Mensageiro de Bragança celebra 75 de vida. Bonita idade!... Invejável longevidade, que sustenta um passado tão brilhante quanto difícil, merecedor de ser construtiva e positivamente avaliado. As dificuldades, as experiências e os problemas de ontem, ao mesmo tempo que sugerem ensinamentos que podem ser úteis hoje, não devem ser ignoradas no caminho a prosseguir.

Quintas e Feitores

 
Embora hoje em dia já pouco aconteça, a verdade é que num passado recente existiam muitas quintas, ou casais agrícolas, modernamente explorações agrícolas, onde a figura e a responsabilidade do Feitor era mais que evidente.
Ao Feitor eram atribuídas grandes responsabilidades da gestão das atividades da quinta, da respectiva coordenação laboral, dos recursos humanos permanentes, dos assalariados, etc. O Feitor tinha uma prestigiada tarefa e um poder determinante, para já não falar das influências que exercia, a vários níveis.

Agora Chuto Aqui!...

Interativamente…na desportiva!... 
Depois de uma semana de trabalho, sobretudo quem se desprende da avareza económica e dá mais importância ao ser, ao conhecer, ao positivamente interagir e se divertir, acaba por suspirar pelo fim-de-semana, para aliviar o stress laboral, com momentos de diversão e bom humor, que potenciem o revigorar transversal de energias e a boa disposição.

Incongruências e consequências!...

Tendo em conta a situação/indefinição política que estamos a sentir e a viver, enquadrada num contexto transversal de grande precariedade social, somos confrontados diariamente com tomadas de posição políticas, que nos colocam numa situação afligida, estranha, duvidosa, ambígua, obscura e difícil de interpretar. Ficamos, assim, algo perdidos, inquietos e inseguros em relação ao presente e pouco confiantes em relação ao futuro.

Um pensamento…no momento!...

Não sei se é pelo facto de o tempo que se faz sentir, chuvoso e cinzento, eventualmente, poder influenciar o pensamento, se é pela falta de criativo discernimento, no momento, mas a verdade é que hoje é um dos dias em que não sei bem o que escrever. É que, enquanto algumas vezes é difícil decidir, sobre o que devemos ou não escrever, sobretudo quando temos em mente assuntos ou imagens que nos incomodam, que nos tiram o sono, ou mesmo nos confrontam com posturas cinzentas, de egoísmo e hipocrisia, outras vezes os assuntos quase se escondem de nós.