A opinião de ...

Um passo em frente

Visitei recentemente uma Quinta no Douro, a quinta que faz o vinho mais caro de Portugal (não, não é o Barca Velha…). Produz por ano mais de 1 milhão de garrafas com 14 marcas diferentes, todas excelentes, com imensas variantes: monovarietais, monovinhas, de colheita, blends, reservas, do Porto, etc. Para conseguir isto fazem uma vindima selecionada, tão selecionada e dirigida que os custos de colheita chegam aos 16 cêntimos por quilograma de uvas. Mais de 70% da produção é exportada para o Brasil, Estados Unidos, Canadá e outros países. É uma casa gerida com eficácia e eficiência e, acima de tudo, com sabedoria e sensibilidade.
A eficácia e a eficiência podem aprender-se nos livros de gestão, exercer-se com inteligência e com trabalho. Que neste caso é feito em equipa, uma equipa muito bem articulada e comungando dos objetivos, da partilha de recursos disponíveis e dos projectos para o futuro.
A sabedoria e a sensibilidade são uma outra coisa. Talvez a primeira se possa dizer que tenha vindo geneticamente pelo desfiar dos anos e das colheitas, dos copos bebidos ano a ano, apreciados ano a ano, avaliados ano a ano e mirados contra o horizonte e a paisagem, a sua sucessão e mudança ao longo de gerações e de épocas. A segunda vem da cultura e do soar interior da consciência quando colocada face a face com o esforço e a dignidade humanas. Naqueles vinhos, dentro daquelas garrafas vai muito da alma da gente. Do trabalho de dirigir, de escavar e de espontar, de colher e de esmagar, do sucesso do plantio e do cortar cada cacho que se põe no cesto. Como se a sabedoria e a sensibilidade fossem a verdadeira seiva e o verdadeiro sumo que depois fermenta e se revela nesta alquimia secular. Mas não só. Como se para além das uvas todo este vinho seja feito duma realidade humana em que se mistura a fecundidade generosa, o génio arrebatador e o esforço bruto mas necessário.
Nestes vinhos não há só a ciência do enólogo e do escansão. Há também a dos arquitectos, dos gestores, dos trabalhadores de enxada e dos operadores de máquinas, dos que no passado legaram as vinhas velhas e dos que no presente plantam as cepas do futuro. Há o trabalho de todos. Sobretudo, o do olhar do dono.
Por este último veio a razão de escrever este pequeno artigo. É que o olhar do dono fez com que, desde há anos, nesta quinta, o trabalho das mulheres seja pago pelo mesmo valor do trabalho dos homens. Nem um cêntimo a menos. E este pequeno/grande detalhe muda toda a realidade. Hoje, século XXI, haver diferença, entre o que ganham homens e mulheres que desempenham tarefas semelhantes, é uma afronta como aquela que faça a distinção entre a cor da pele de seres humanos.
Sobretudo nos meios rurais, vir dizer que as mulheres trabalham menos do que os homens é uma falácia e uma grande falta de verdade. Basta olharmos à volta. Claro que se poderão encontrar diferenças – mas as mesmas que se encontram entre homens que trabalham mais e homens que trabalham menos. Agora haver uma diferença só porque é mulher a trabalhar, é uma afronta anacrónica e desajustada dos nossos tempos.
Neste campo poderíamos, no Norte, dar um exemplo ao mundo: começar a pagar com salário igual a homens e mulheres. Elas merecem. Seria uma forma concreta de darmos um passo para ajudar tantas famílias a viver e a sair da crise.
Há muito que na quinta que visitei tal se pratica. É uma das chaves do sucesso da quinta, uma das coisas que contribui para um maior empenho no trabalho, de todos.
Seria bom que todos compreendessem este facto e o vissem como urgente e positivo para a nossa economia. Passar a praticá-lo, pagar às mulheres o mesmo que se paga aos homens, seria darmos todos um passo em frente.

Edição
3434