A opinião de ...

Comidas conversadas

22 de Novembro: almoço de excepção, no Restaurante Nobre - da macedense Justa Nobre -, em Lisboa, para lançamento de António Manuel Monteiro, Comidas Conversadas. Memórias de Herança Transmontana, com que Virgílio Nogueiro Gomes decidiu inaugurar a Colecção Gastronomia & Cultura na Âncora Editora. Sem longos discursos, e sessão de autógrafos no fim, tivemos um sábado de encher peito e alma, bebendo, no meu caso, além de um Consensual, as «conversas gastrófilas» (p. 146) do Embaixador Francisco Seixas da Costa e especialistas convidados, em cujos roteiros cabem alguns restaurantes disseminados por esta obra magnífica.
Onze capítulos bem fornidos abrem com alheiras de Mirandela, tabafeias e vilões, larotas e azedos, encerrando com hino ao azeite, que dará passagem - assim esperamos - a romance protagonizado pela… oliveira, que já tratou em crónica e livro. António Monteiro equilibra a prosa entre rememoração, saber académico («Como agrónomo que sou», p. 114), fundas pesquisas histórico-etimológicas e receituário, em que experiência de viageiro e provador, bibliografia apurada - saliento uso da dicionarística - e testemunhos de quem mete a mão na massa, ou informantes, são decisivos em cada «comida conversada» (p. 101).  O poder evocativo faz emergir uma tal riqueza lexical, que o glossário é bem-vindo para a maioria dos leitores - sem solução, já, na montanha de fonemas de “Uma carambina alustrada” (p. 104-109), que recoloca o problema da leitura ‘fonética’ desde Mau Tempo no Canal, e que também pratiquei em Várias Bulhas e Algumas Vítimas (1980). Temos ficcionista.
Cuscos de Vinhais, urtigas (gostei da fórmula «ler urtigamente», p. 137), polvo, vegetais diversos, elogio do bacalhau e do castanheiro, vinhos e doçuras, eis outras tentações que pedem demora, como esta longa reunião prandial que chamou outros convivas: o editor António Baptista Lopes, Amadeu Ferreira e filhos, Licínio Martins (da Multitipo, que imprime qualidade aos livros), Nuno Aires, Teresa Martins Marques, Maria do Loreto, Natália Praça, António Ramos Preto e mulher, Rogério Rodrigues e família do autor, também grão-mestre, justificadamente, da Confraria de Enófilos e Gastrónomos de Trás-os-Montes e Alto Douro, entre dezenas que não caberiam aqui. Venham mais simpósios destes.

Edição
3503