A opinião de ...

A Confraria e o Festival…do Butelo e da Casula

As circunstâncias acontecem e motivam, as ideias surgem e os projetos concretizam-se. Foi assim que surgiu, em Bragança, há sete anos, A Confraria do Butelo e da Casula. Como outros projetos, esta ideia reanimadora do Butelo e das Casulas, surgiu no seio de habituais comensais, com o objetivo de reforçar valores, divulgar e promover produtos gastronómicos e a nossa região, em várias geografias continentais e diásporas. Foi, como em tudo na vida, muito bem acolhida por uns e alvo de algum ceticismo por outros. Para aqueles que acreditaram, reconhecendo e valorizando o projeto, apoiando e respeitando os conceitos e os desafios que emergem da sociedade civil, a evolução sustentada da organização confrádica tornou-se garantia de que, quando há homens que pensam, querem e se esforçam, valorizando o que é nosso, sustentados em genuíno altruísmo, a sociedade movimenta-se e os resultados são tão gratificantes quanto inequívocos. Para os incrédulos da altura, direi, simplesmente, que, contra factos não há argumentos. A confraria é uma realidade, foi, está a ser, e será o veículo dinamizador do objecto estatutário. E nada mais.
É que não há qualquer dúvida que a Confraria do Butelo e da Casula, tendo surgido no seio de um grupo de duas dezenas e meia de amigos, que se juntavam, regularmente, para confraternizar gastronómica e socialmente, sustentando o principal objetivo da organização, na divulgação e promoção das iguarias que lhe dão o nome de demais produtos gastronómicos locais, contextualizada no âmbito dos valores educativos, sociais e formativos, se tornou um inegável êxito. As provas estão à vista. E não adiantam alguns “Velhos do Restelo” arregimentarem argumentos de “Ovos de Colombo” ou “Cristãos Novos”, vindos, até, de outras paragens, pretenderem tornar-se arautos dos efeitos positivos decorrentes da criação da Confraria do Butelo e da Casula.
A partir da constituição, a Confraria tem desenvolvido diversas atividades de promoção e divulgação do Butelo e da Casúla, associando também outros produtos gastronómicos, a cultura, os recursos naturais e turísticos do Nordeste Transmontano, quer no país, quer no estrangeiro.
Decorrente da sua criação, surgiu, na capital nordestina, primeiro o Fim de Semana Gastronómico do Butelo e da Casula e, depois, o já institucionalizado Festival do Butelo e das Casulas, realizado, anualmente, no período de Inverno, por altura do Carnaval. E se outras realizações não tivessem sido reconhecidamente positivas, o ter potenciado a iniciativa de fazer desta iguaria gastronómica pretexto para a realização de um evento singular no país, justificaria, só por si, a existência da Confraria.
Em boa hora, pois, a Câmara Municipal de Bragança, reconhecendo o mérito da ideia, numa salutar parceria, com esta organização confrádica, investiu neste projeto de divulgação destes produtos gastronómicos – Festival do Butelo e das Casulas - promovendo o concelho de uma outra forma e noutros domínios. Não menos meritória foi a adesão ao certame, de profissionais da restauração, cozinhas regionais e outros que viram neste dinamismo, a oportunidade de aumentar a sua rendibilidade económica.
Espera-se, com efeito, que o próximo fim-de-semana, dedicado ao Festival do Butelo e das Casulas, faça de Bragança, uma vez mais, um ponto de referência nacional e internacional, sobretudo na componente gastronómica e turística e que esta Confraria Brigantina continue a dar VIDA, à vida que lhe deu vida, sustentada num percurso de identidade, inconfundível, independência institucional e coerência funcional.

Edição
3664