Mogadouro

Bemposta promoveu primeiro de Encontro de Rituais Ancestrais

Publicado por Francisco Pinto em Qui, 2019-02-21 14:31

A aldeia de Bemposta, terra de chocalheiros, “vestiu-se” a rigor para receber mais de duas dezenas de mascarados vindos um pouco de todo o Norte e Centro do país e da vizinha Espanha, naquele que foi o 1º Encontro de Rituais Ancestrais, promovidos pela associação Maschocalheiro.

A folia e as tropelias de caretos, sécias, farândulos, chocalheiros e outras figuras de rituais ancestrais, trouxeram algumas centenas de pessoas às ruas da aldeia, onde o convívio e a partilha de tradições foi a palavra de ordem e ninguém de lhe ficou indiferente, ao animado cortejo que percorreu toda a aldeia.
Para o presidente da associação Maschocalheiro, Vitor Corralo, este encontro pretendeu contribuir para a dinamização de Rituais de Inverno, provocados pelos mascarados da Península Ibérica.

“A Maschocalheiro é uma coletividade que pretende revitalizar e recuperar as antigas tradições da aldeia e coloca-las como atrativos turístico, como é caso do emblemático Chocalheiro de Bemposta”, disse o dirigente associativo.

Esta nova associação tem como patrono o ancestral e demoníaco, Chocalheiro de Bemposta, figura associada e de grande importância em tempo de rituais do Solstício de Inverno, em todo o Nordeste Transmontano, e cuja origem se perde na imensidão dos tempos.

A Maschocalheiro promete levar este encontro para a frente, de forma a manter a tradição “chocalheira” e promover o turismo em meritório transfronteiriço.
Maria Bimenez, que acompanhava um grupo de mascarados da província de Leão, Espanha, sempre foi dizendo que é preciso preservar estas tradições, porque fazem parte da cultura peninsular, e seria um “crime” deixa-las cair no esquecimento.

“Estes rituais de mascarados são muitos comuns, tanto em Portugal, como em Espanha. É também com este tipo de iniciativas que promove a nossa cultura e os nossos territórios”, vincou.

Já Alice Ferreira, que veio de Bragança, destacou a sua infância vivida por alturas das festas dos rapazes que se faziam no seu concelho e que davam um colorido especial as aldeias como Salsas, no concelho de Bragança ou Ousilhão , no concelho de Vinhais.

Por seu lado, o vice-presidente da Câmara de Mogadouro, disse que é importante respeitar as tradições do passado e que o município tem feito um esforço neste sentido.
“Estamos num território em que o património imaterial é riquíssimo e que tentamos recuperar. No capitulo das mascaras e dos mascarados, temos apostados na sua recuperação em algumas freguesias do concelho de Mogadouro e promove-las fora de portas”, frisou o autarca.

A iniciativa contou com o apoio do município de Mogadouro, Junta de Freguesia de Bemposta e do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Duero - Douro.