Igreja // Diocese

D. José Cordeiro apelou à união na Missa Crismal

AGR em Qui, 17/04/2014 - 17:59

O bispo de Bragança-Miranda apelou à união dos sacerdotes nos tempos difíceis que atravessamos.
Durante a homilia desta manhã, D. José Cordeiro disse que “os dias difíceis que vivemos exigem que as dificuldades sejam transformadas em oportunidades com engenho e criatividade”. “Já considerámos a necessidade, as razões, as várias formas, a mudança de paradigma, a utilidade, as dificuldades, os passos a realizar, as alegrias e as esperanças. As Unidades Pastorais são basilares para uma comunhão e participação pastoral orgânica de conjunto entre paróquias próximas, cuja colaboração, configuração e reconhecimento foi institucionalizado. Na verdade, as Unidades Pastorais, procedem de várias paróquias que convergem numa pastoral unitária, guiadas por um só sacerdote ou por um sacerdote moderador com o qual cooperam outros sacerdotes que podem, in solidum ou singularmente, ser párocos das paróquias convergentes na Unidade Pastoral”, frisou o prelado.

O bispo diocesano lembrou que houve uma “mudança de paradigma”. “Já não se concebe nem se reconhece a paróquia auto-suficiente, centrada e fechada no pároco. É necessário superar a lógica do “um-todos” para abrir uma lógica mais dinâmica e eclesial na comunhão “um-alguns-todos”. Este é um tempo de fazer das necessidades, virtudes”, sublinhou D. José Cordeiro.
O prelado aproveitou, ainda, para pedir união de todos. “É claro que temos de atender às resistências da parte da comunidade e de alguns presbíteros. Algumas pessoas ainda não se convenceram que a diminuição do número de presbíteros comporta a mudança de muitas práticas e estratégias pastorais. Alguns presbíteros preferem fazer tudo em vez da serenidade pastoral, da qualidade dos ritos, da profundidade do ensino e da pregação e sobretudo do testemunho da caridade pastoral. Trata-se não de ter menos cura pastoral, mas de a ter melhor organizada, conduzida e oferecida a todos os membros do povo de Deus.

O grande desafio é o trabalho espiritual fundamental que é pedido aos presbíteros, aos diáconos, aos consagrados e aos leigos – aprender a trabalhar juntos. Esta é uma escolha que exige a conversão pastoral e missionária, isto é, a mudança de atitude desde o coração, bem como a verdadeira caridade. Temos de realizar um projecto com estas simples etapas do método pastoral: ver, julgar, agir e avaliar”, sublinhou.
Nesta celebração, o azeite para a Bênção dos santos óleos dos Catecúmenos e dos Enfermos e a consagração do Crisma, foi oferta da Paróquia de Nª Sª da Assunção de Izeda, da Unidade Pastoral de Santa Maria do Sabor, proveniente das oliveiras do adro da igreja paroquial de Izeda.

Já o lava-pés que da Missa Vespertina da ceia do Senhor na Catedral será a pessoas com deficiência da Diocese de Bragança-Miranda e coordenado pelo recém-criado serviço diocesano da pastoral a pessoas com deficiência.

Tags: