Desporto // Nota editorial

Desespero, má fé ou o burro sou eu?

António G. Rodrigues em Qui, 19/03/2015 - 18:38

Os Pioneiros de Bragança são um dos clubes históricos da cidade de Bragança, por onde passaram grandes valores do futsal nacional, como Arnaldo Pereira, Tó Parente e muitos outros, e não merecem estar a passar pelo estado comatoso que os afeta. Merecem mais respeito. Ponto. Incluindo do seu presidente demissionário, Ricardo Pires.
Sendo jovem e dinâmico, sofre daquele mal que se cura todos os dias, a idade. Ainda que, para isso, seja preciso exercitar o martírio da paciência.
Ricardo Pires terá tido o mérito de, como diz no seu comunicado, o clube ter conseguido, “pela primeira vez na sua história o registo de 3 equipas colocadas nas provas nacionais no mesmo ano”. Mas quando um cozinheiro se decide a fazer omoletes, convém que conte os ovos primeiro. Montar equipas campeãs não é fácil. Mas saber como lhes pagar é que é difícil. E, tal como no sonho bíblico de Nabucodonosor, o ídolo tinha pés de barro.
Ao longo do seu primeiro mandato, Ricardo Pires foi um ativo funcionário do clube e vítima do seu próprio projeto. Quanto mais sucesso, mais desespero. Foi cultivando atritos com outras entidades da região, escusou parcerias, numa lógica de afirmação do clube. O ponto alto foi o ataque violento desferido à Câmara Municipal de Bragança, a quem foi, depois, pedir apoio, e ao próprio Arnaldo Pereira, via comunicado, por alturas dos jogos da Seleção de Futsal em Bragança. Com ou sem razão nas críticas, perdeu-a na forma como se expressou, contra tudo e contra todos, fazendo lembrar aquele caçador míope que, com tanta vontade de acertar no coelho, dispara para todas as direções mas acaba por acertar apenas... nos próprios pés. Esta é a parte do desespero.
Mais ou menos por essa altura foi apresentado o Torneio de Futebol de Rua Mensageiro de Bragança e a Maratona de Futsal Mensageiro de Bragança, tendo a Seleção Nacional, em peso, e o presidente da Câmara Municipal, como padrinhos. Um apoio que é capaz de causar comichão. Como causou. E esta é a forma de Ricardo Pires se coçar.  Esta é a parte da má fé.
Agora os factos. A direção dos Pioneiros de Bragança, clube de cujos feitos o Mensageiro de Bragança se orgulha de dar conta aos leitores, demitiu-se alegando não ter condições de levar as suas equipas feminina e de juniores ao Nacional da respetiva categoria, campeonato para o qual se haviam qualificado meritoriamente. O Mensageiro deu conta disso. Entretanto, os intervenientes das respetivas equipas, numa atitude de verdadeira resiliência, e ao contrário do exemplo vindo de cima, não atiraram a toalha ao chão. Entre si, reuniram condições para ir disputar as provas. A equipa feminina já viajou a Viana do Castelo, como Ricardo Pires admite no seu comunicado, e como o Mensageiro antecipou. Ou seja, fosse a título particular ou institucional, fosse pela intervenção de Ricardo Pires ou não, a verdade é que as condições foram reunidas para a equipa feminina participar na Taça Nacional de Seniores Femininos. Tal como o Mensageiro noticiou.
E o burro sou eu?

Tags: