Atual // Bragança

Edifício das Infraestruturas de Portugal vai acolher novas valências em janeiro

António G. Rodrigues em Sex, 23/12/2016 - 17:32

O edifício onde durante quase 30 anos funcionou a Junta Autónoma de Estradas (agora Infraestruturas de Portugal), junto à Câmara Municipal de Bragança, vai acolher, a partir de janeiro, diversas valências ligadas à Proteção Civil.
Na passada sexta-feira o Secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, visitou as instalações e reuniu com os responsáveis regionais daquela entidade e com Hernâni Dias, presidente da Câmara de Bragança.
“Esta infraestrutura é enorme e está sub-aproveitada. Há, por parte das Infraesturas de Portugal a disponibilidade para partilhar o edifício, as áreas não ocupadas. Vamos agora analisar a possibilidade de arrendar e podermos ocupar dois terços ou até três quartos do edifício.
O objetivo é pormos o Centro Distrital de Operações de Socorro num sítio com dignidade, onde caibam todos os equipamentos que não estamos a instalar porque não temos espaço e pormos mais algum serviço do Ministério da Administração Interna também aqui”, anunciou Jorge Gomes, no final do encontro.
Ao que o Mensageiro apurou, em cima da mesa está, para além da passagem do Centro Distrital de Operações de Socorro e do batalhão dos GIPS da GNR, também a instalação de dois serviços mais abrangentes. Por um lado, trazer para Bragança a sede da Inspeção de Bombeiros da zona norte. Por outro, uma nova valência, que até está prevista nas 164 medidas do Plano de Coesão Territorial, de verificação das multas de trânsito. Um serviço que, a confirmar-se a instalação em Bragança, poderá significar a criação de mais 40 postos de trabalho na região.
Por isso, o presidente da autarquia, Hernâni Dias, vê com bons olhos o aproveitamento deste edifício. “Qualquer serviço que hoje possa ser aqui instalado será uma mais valia para a cidade. Sabemos que há alguns serviços que carecem de instalações. Será seguramente bem vindo. O importante é não deixar que os edifícios caiam em processo de degradação”, frisou.