Atual // Nordeste Transmontano

“Estrada entre Vinhais e Bragança já tem o traçado escolhido”, revela Américo Pereira

AGR em Qui, 23/06/2016 - 15:20

Quando José Sócrates se demitiu do Governo em 2011 deixou um projeto pendurado, o da requalificação da ligação entre Bragança e Vinhais. Uma obra que avança brevemente, de acordo com Américo Pereira, presidente da Câmara de Vinhais, que tem estado a encetar contactos ao mais alto nível para que a obra seja, finalmente, uma realidade.
“Neste momento, o processo e segundo as últimas reuniões que tive com as Estradas de Portugal, o processo está bastante avançado, o traçado já está escolhido e tenho garantias que muito brevemente, talvez ainda este mês será lançado o aviso do projeto de execução, que é algo de verdadeiramente importante e estou convencido que desta vez, o projeto avança e vai resolver uma série de problemas desta região”, sublinhou o autarca socialista.
Américo Pereira recorda que “o processo da melhoria da Estrada Vinhais para Bragança, a Nacional 103, já se iniciou há muito tempo”. “Aquando da elaboração dos projetos e da execução das obras das acessibilidades a Trás-os-Montes, este troço que iria beneficiar a estrada entre Vinhais e Bragança estava também previsto. Foi na altura em que era 1º Ministro o José Sócrates e na fase final do seu mandato e o seu último mandato, o processo avançou bastante. Com o novo Governo da altura e tendo em conta as dificuldades financeiras que o país atravessava, a partir de 2011/2012, Passos Coelho cancelou todos os projetos de infraestruturas de Portugal e cancelou também este projeto, o que significa que o projeto que estava bastante avançado voltou para a estaca zero. Recentemente e com a mudança de Governo, voltámos a pegar neste assunto. Fui recebido por mais que uma vez pelo Ministro das Infraestruturas, Pedro Marques e falei também com o Primeiro Ministro que foram sensíveis a esta questão. Também Jorge Gomes, Secretário de Estado da Administração interna, tem tido um papel muito importante para ajudar a desencravar esta obra e por isso lhe estamos muito agradecidos. Tanto o caso de Vinhais, como o caso de Vimioso, são as ligações que os autarcas do distrito definiram como prioritárias e portanto, tudo indica que brevemente vai haver desenvolvimentos relativamente a esta matéria”, explicou ao Mensageiro.

Problema da região

Américo Pereira sublinha que este não é apenas um sonho dos vinhaenses. “O problema está exatamente em a questão ser colocada assim. Isto é um problema da Região, é um problema de Vinhais, de Bragança, de todo o distrito. As acessibilidades dentro da própria região são tão importantes como as acessibilidades entre ela e o espaço que se situa fora dessa mesma região. Claro está que esta ligação de Vinhais para Bragança é de uma importância estratégica, porque grande parte da vida diária de Vinhais faz-se para Bragança, a começar pelos profissionais de saúde, do ensino, empresários, funcionários, por várias pessoas que fazem este trajeto todos os dias. Nós seremos beneficiados e Bragança também. Mas não nos podemos esquecer que, atualmente, a A4, veio colocar outra questão muito importante. O fato de estarmos sem alternativas para aqueles que não pretendem por qualquer motivo circular na autoestrada, e esta ligação Bragança Vinhais devidamente melhorada, tendo em conta que daqui para Chaves e Mirandela está num estado aceitável, também vai ajudar a que o trânsito de e para Bragança de outras zonas do país se faça de forma mais simples e acaba por ser uma alternativa à A4”, sustenta.
 
“Projeto da escola fica pronto esta semana”

A um ano de terminar o mandato, Américo Pereira tem estado num forcing para deixar alguns dossiês devidamente tratados, como é o caso da escola, cujo projeto deve ficar pronto “esta semana”, podendo ser imediatamente candidatado a verbas comunitárias. “Não é um projeto de remodelação, é um projeto novo e convém dizer o seguinte: não é fácil encontrar uma vila em que a localização das escolas esteja exatamente ao contrário daquilo que deve ser. Temos a Escola Primária num sítio, a Escola Secundária D. Afonso III noutro e temos a Pré- Escola noutro local. A Escola Secundária que é a que está mais em causa e deu origem a este processo, está muito mal localizada sob todos os pontos de vista e encontra-se numa situação em que precisava de grandes obras de recuperação. Aquela escola foi projetada para o triplo dos alunos que tem atualmente e que está muito degradada e quer os Técnicos do Ministério da Educação quer os Técnicos da Câmara chegaram à conclusão que seria mais fácil e vantajoso fazer uma escola de raiz do que estar a remodelar aquela. Neste momento, o projeto está muito avançado e estou convencido que até ao final do ano, início do próximo, a obra poderá arrancar”, adianta o autarca vinhaense.
“O projeto está praticamente pronto, deve ficar esta semana concluído e será imediatamente candidatado no pacto que a CIM-TTM assinou com a CCDR-N está prevista a verba necessária para a realização desta obra que fica próxima dos três milhões de euros e portanto estou convencido que muito em breve podemos lançar o concurso”, frisa.
O autarca aponta a vantagem estratégica desta medida. “A lógica moderna da aprendizagem aponta no sentido da concentração dos alunos dos diversos níveis e nós vamos ter aqui exatamente essa concentração ficando apenas de fora os alunos do pré-escolar. Mas a própria escola está desenhada de forma a que, apesar de os alunos partilharem o mesmo edifício, há locais bem específicos de forma a que os maiores tenham convívio com os mais pequenos, mas que seja um convívio são, sem quaisquer constrangimentos entre alunos. Todos poderão ter as suas atividades, tempos livres em espaços comuns mas com a certeza que há locais próprios para cada nível etário. Isto vai melhorar significativamente as condições em que as aulas são dadas, em que os profissionais trabalham, pois também é importante perceber que o termo físico (escola) só funciona bem se os profissionais também se sentirem bem com as condições de trabalho, que é algo que não acontece neste momento”, sublinha.
Por outro lado, “esta escola vai ficar localizada na parte sul da vila, onde estão localizados vários equipamentos como o complexo desportivo das piscinas e o estádio de futebol, vai ser construído um pavilhão desportivo e fica ainda perto dos transportes escolares”.

“Pegámos no dossiê dos Cuidados Continuados”
(Entrevista completa disponível para assinantes ou na edição impressa de 16/06/2016)