Atual // Alfândega da Fé

Três anos depois os prejuízos do incêndio de Picões não foram totalmente ressarcidos

Glória Lopes em Sex, 09/12/2016 - 10:02

A presidente da câmara de Alfândega da Fé, Berta Nunes, lamenta a falta de apoio completo para ressarcir os prejuízos dos proprietários rurais afetados pelo grande incêndio de Picões, que deflagrou entre 8 e 12 julho de 2013, propagando-se aos concelhos de Freixo de Espada à Cinta, Mogadouro e Torre de Moncorvo, sendo considerado o maior de sempre na zona do Alto Douro. “Os apoios ficaram muito aquém das promessas”, admitiu.
A autarca admite que os afetados não foram ressarcidos das suas perdas. 
A autarquia deu apoio imediato aos pastores e ajudou as famílias que ficaram em dificuldades, uma vez que a Segurança Social não deu um único apoio. “Muitos prejuízos dos agricultores e pastores nunca são totalmente ressarcidos. As pessoas ficam efetivamente prejudicadas. Na altura dos incêndios há muitas promessas de que se vai apoiar mas na prática nunca se compensa todos as perdas”, afirmou. 
Além disso, a autarca revelou que a câmara foi para o terreno fazer os processos para a Segurança Social, “mas não houve um único apoio, apesar de nas reuniões estar presente a Segurança Social”, referiu Berta Nunes.