Em busca do caminho!...

Um dos desafios mais importantes da atualidade, num contexto mundial de convulsões, desentendimentos, incompreensões, de falta de respeito pelos outros, pelos mais desfavorecidos e pelos povos menos protegidos, individual ou coletivamente, será a promoção dos valores de cidadania e urbanidade, bem como da educação para o desenvolvimento de interações humanas em perfeita harmonia.
Nesta perspetiva é também dever de cada um, assumir a mudança, tornando-nos incentivadores da paz, igualdade e respeitos pelos outros, contrariando o egocentrismo e o individualismo desenfreado.
É certo que, nesta vida terrena, passageira, todos gostamos de viver da melhor maneira. Porém, enquanto uns, de uma ou outra forma, valorizam a afetividade, a positividade dos valores da imaterialidade, outros, uma maioria significativa, infelizmente, pensando que nunca morrem, embrulhados num individualismo egocêntrico tantas vezes doentio, empenham-se, fanaticamente, na procura de segurança através da manifestação do poder exterior, volúvel, como o dinheiro, bens materiais, estatuto e aplausos, por vezes no contexto de grupos corporativistas, onde gostam de dar nas vistas!...
Porém, esquecem-se e não percebem que, tudo, o que é material, que está fora de nós, o podemos perder de um momento para o outro, independentemente do nosso querer!..
Pena, pois, que existam pessoas que, adotando uma postura egocêntrica de vida, armados em eruditos da intelectualidade, ou da verdade, não percebam que a única maneira de termos paz de espírito e realizarmos uma MISSÃO de vida, fazendo da vida uma MISSÃO, é através do poder interior, onde o amor pelo próximo tenha, na prática quotidiana, um valor superior, promovendo e cultivando laços afetivos claros e significativos, num contexto de confiança recíproca e de disponibilidade fluente, permanente, para toda a gente.
As pessoas valem por aquilo que são, pela sua capacidade de ser e querer, de interagir positiva e construtivamente com os outros, num contexto de transversalidade, e não por aquilo que têm, pela sua conta bancária, ou pela sua declaração de rendimentos, quando os declaram.
O que fica para sempre, para a eternidade, é a nossa elevação, o que foi a nossa doação, o nosso enriquecimento potenciador de felicidade na vida, com VIDA.
Os dons que nos são dados devem ser colocá-los ao servido dos outros, da comunidade em harmoniosa voluntariedade. Mesmo o exercício da nossa atividade profissional deve sustentar-se numa filosofia de doação na ação, procurando empatias construtivas e e interações positivas.
Na verdade, o caminho da conveniência é um caminho largo, enquanto o caminho dos princípios corretos é estreito, exigindo, por isso, esforço e força de vontade para caminhar no seu trilho, com brilho.
Devemos, pois, rentabilizar o capital dos afetos, sustentado na imaterialidade da vida, irradiando, nos nossos ambientes energia positiva que sustente o bem-estar e a alegria de SER e VIVER!...
Embora nem sempre isso aconteça, olhemos o mundo e no mundo, com olhos de ver e sentir, reparando e auscultando, até no silêncio e devidamente, o que se passa ao nosso redor. É importante seguir um caminho que nos enriqueça espiritualmente e enobreça o interior, deixando a nossa marca positiva para sempre. Eternamente!...