A opinião de ...

Atualidade Política Afinal..... Todos meteram o pé na argola

Numa das quinzenas mais ridículas da actualidade política nacional, esta situação acabaria por se agravar com o espectáculo vergonhoso e degradante proporcionado ao país pela transmissão televisiva de mais uma sessão da audição do Sr. Comendador Berardo no âmbito da Comissão de Inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O nível foi tão baixo, que teria sido bem melhor para todos que tivessem feito a vontade ao Senhor Comendador, evitando-se assim que, pelas piores razões, esta semana ficasse para a história como uma das imagens mais negras e aviltantes da política pós ditadura, na qual todos os figurantes intervenientes, evidentemente uns mais do que outros, acabaram por meter o pé na argola, confirmando, agora em direto e a cores, a falta de estatura politica e de sentido de estado, de perfil e das qualidades mínimas exigíveis a todos aqueles que têm a veleidade, a coragem e o desplante (talvez fosse mais ajustado dizer a lata), de querer governar um país.
Como que por encanto, quem sabe até se não por obra e graça de um qualquer mágico ou habilidoso prestidigitador politico, as grandes questões de interesse comum, como que por milagre, desapareceram da agenda politica, deixando campo aberto para que a mediania intelectual possa continuar a entreter-se caçando moscas e, com laivos de saloia intelectualidade, discutir o sexo dos anjos, calando os remorsos da sua incompetência com a esperança de que alguém virá atrás para fechar a porta. As grandes questões estruturantes e de interesse comum, cuja resolução se torna cada vez mais urgente, porque, numa perspectiva imediatista, a sua implementação poderia afastar meia dúzia de votos, essas e outras que esperem sentadas, até que um súbito passe de mágica as venha resolver. Se não vejamos:
- Alguém, com um pingo de vergonha, teria engolido calado ou deixaria esquecer a vergonhosa situação de nepotismo, que manchou irreparavelmente a imagem da actual governação?
- A recuperação do tempo dos professores que, de empolada que foi, quase parecia o início duma nova batalha de Aljubarrota, causou estragos e, porque ninguém apresentou uma solução racional, é inegável que dela ninguém saiu limpo, deixando por saldar muitas contas e promessas que, mais cedo ou mais tarde, e então com juros, alguém terá que as pagar;
- Dos fanáticos da exclusividade do Serviço Nacional de Saúde, seria curioso saber quantos utilizam a medicina privada, quantos passaram pela maravilha do serviço de urgência dum hospital público, e/ou pelo drama de esperar semanas, meses ou até anos por uma consulta de rotina ou uma cirurgia, esperas não raro resolvidas com a frieza da certidão de óbito. Para falarem com conhecimento de causa, se nunca o fizeram, sugiro que o façam na primeira ocasião, e deixem a cada um a liberdade de escolher o que lhe parecer melhor.
- A laia de epílogo, “chapeau” para a Comissão de Inquérito à CGD pela maneira ridícula como se deixou achincalhar pelo Senhor Comendador, dando-lhe a oportunidade de, quando lhe aprouver, rebaptizar, o “nosso querido torrão lusitano”, deixando de se chamar Portugal para se chamar apenas o reino da “Joeberardolândia”!
Porque estamos em campanha para as eleições europeias do próximo dia 26 de Maio, por causa das bruxas, depois de votar, contamos voltar depois daquela data.

Edição
3730