MAPA COR-DE-ROSA

 
Este mapa cor-de-rosa é coisa nova e nada tem a ver com as pretensões hegemónicas de Portugal em África. Refere-se à atualidade política e foi motivado pela capa do Mensageiro de Bragança de 5 de outubro que, sob o título “Viragem à esquerda”, mostrava como a onda rosa alastrou no distrito de Bragança e se sobrepôs à mancha laranja.
Sete concelhos para o PS e cinco para o PSD é o balanço das últimas eleições autárquicas no meu distrito natal. Numericamente igual ao alcançado em 1997. O PS dispõe agora de uma confortável maioria na Comunidade Intermunicipal Terras de Trás-os-Montes (CIM), detendo sete dos nove municípios que a constituem.
Júlia Rodrigues foi a estrela da noite eleitoral no nordeste transmontano. Ao arrebatar Mirandela ao fim de quarenta anos de hegemonia PSD e episodicamente CDS, a minha colega deputada deu ao PS uma das mais gostosas e surpreendentes vitórias dessa noite memorável. Na sede do PS, no largo do Rato, onde estava reunido o Secretariado Nacional, a notícia foi recebida com enorme alegria e não fui eu a única a manifestar um ruidoso contentamento. O feito não é para menos. Contra todas as expetativas, pela primeira vez, o município de Mirandela vai ser governado pelo PS e por uma mulher. Parabéns, Júlia, e boa sorte.
A reconquista da Câmara de Macedo de Cavaleiros por Benjamim Rodrigues trouxe-me à memória o saudoso Luís Vaz. Estou certa de que, mesmo lá no assento etéreo onde subiu, o meu querido amigo não deixou de celebrar esta vitória. A natural vitória da minha velha amiga Berta Nunes em Alfândega da Fé tem também um importante significado político. O reconhecimento da boa gestão, o apoio a uma política de proximidade e de transparência.  Não por acaso, ela granjeou o epíteto de autarca-modelo no feminino. Quero também felicitar Luís Fernandes (Vinhais), Artur Nunes (Miranda do Douro), Francisco Guimarães (Mogadouro) pelos bons resultados obtidos.
Compreende-se que conclua com uma referência especial a Vila Flor e Carrazeda de Ansiães. Tenho uma ligação familiar e de grande afetividade com Vila Flor. É uma das minhas terras de adoção. Há muitos anos que, nas autárquicas, os eleitores do Concelho de Miller Guerra e Graça Morais confiam no PS. Alegrei-me, primeiro, com as vitórias do meu especial amigo Artur Pimental (uma espécie de primo que conheço desde que nasci) e, depois, com a de Fernando Barros, um grande autarca que, mais uma vez, levou o barco a bom porto. Carrazeda de Ansiães, o concelho onde nasci, continua a resistir à mudança. Infelizmente. Não obstante o notável resultado alcançado pela lista apoiada pelo PS e encabeçada pelo independente e meu parente Frederico Meireles (só menos 80 votos que o PSD?!), o poder laranja venceu uma vez mais. Diz-se que a esperança é a última a morrer. Espero que, em 2021, seja finalmente a hora de Carrazeda também mudar de cor.