O “Bom Pastor” Contemporâneo…

A pastorícia é uma das atividades mais antigas da história da humanidade, com origens no período neolítico. Atualmente, apesar de ainda ser uma profissão de predominância familiar, transmitida de geração em geração, a pastorícia é, cada vez menos, apreciada e atrativa, principalmente, no seio dos mais jovens.
Os Pastores são, contudo, pessoas dotadas de muitos predicados e que certamente têm muito para ensinar, particularmente, aos nossos grandes Líderes.
Ora vejamos, afinal de que forma?! Objetivamente, um pastor é alguém que acolhe, protege, guia, conhece e que se dispõe a dar a vida pelas suas ovelhas. Têm uma invulgar capacidade de unir e comandar, de forma ordeira, pela segurança que a sua voz transmite.
Nesse contexto, se canalizarmos este modelo de liderança para a nossa sociedade atual, verificamos que um verdadeiro Líder deverá ser aquele que, tal como o Pastor, possui o dom de saber acolher e acarinhar o seu “rebanho”, dotado de um capital humano e social capaz de inspirar e motivar, continuamente, as pessoas que lidera, potencializando e lapidando o melhor que há em cada um, sempre em prol de um objetivo e visão comuns.
Um verdadeiro Líder não vive obcecado, nem se deslumbra com o seu sucesso ou com os “cumprimentos sociais”, tem a equidade sensorial necessária para perceber as necessidades e as competências individuais e coletivas, liderando as pessoas com princípios assentes na coerência, assertividade e justiça, sempre através do bom exemplo e nunca pelo uso de artimanhas ou habilidades inspiradas na anulação, amedrontamento ou manipulação dos outros.
Perante o exposto, não será exagerado afirmar que a nossa sociedade necessita, com urgência, de mais “Bons Pastores”, porque, culturalmente, Doutores e Mestres da trapalhada já nós temos muitos, talvez, até de mais…!
Infelizmente, vivemos órfãos de verdadeiros Líderes, munidos de uma capacidade arrojada de influenciar e amparar, de forma natural, as pessoas que os rodeiam, pois, tal como as ovelhas, genericamente, as pessoas são vulneráveis e necessitam de proteção permanente.
O “Bom Pastor”, tem caraterísticas muito próprias e transversais a todos os outros, pelo que, independentemente do contexto, um Líder não está autorizado a violar alguns dos princípios mais básicos, nomeadamente, ao nível da promoção do entusiasmo e das qualidades da equipa, evitando castrá-las, como também, em desfocar-se e tentar regar, sistematicamente, o ambiente com gasolina para sobressair, não pelas suas qualidades, mas pela incompetência provocada nos outros.
Por isso, a chave do sucesso vive, efetivamente, intimamente ligada à arte de bem liderar.
Só desta forma é que será possível edificar uma sociedade mais consciente, comprometida e responsável, com fundações bem firmes e sustentadas, de forma a dar resposta às necessidades socialmente prementes.