O Desenvolvimento da cidade de Chaves e o seu Aeródromo Municipal

Quem visite a cidade de Chaves no presente ao deambular pelo seu tecido urbano verifica, que os responsáveis que ao logo destes últimos anos tem estado à frente dos seus destinos fizeram um trabalho inteligente e adequado à sua valorização.
Como principais vias de acesso apresenta a EN103 (começa em Neiva, perto de Viana do Castelo, onde entronca coma a EN13, e prolonga-se por uma paisagem multifacetada pelo Este do Alto Minho, e por toda a zona Norte de Trás-os-Montes, passando por localidades como Braga, Chaves, Vinhais, até acabar em Bragança) e a A24 (Chaves-Viseu).
Para além de tudo isto o Concelho possui a diversidade do recurso natural água existente no Concelho de Chaves, que tem vindo a ser potenciado na região, resulta da conjugação feliz de processos que ocorrem quer à superfície quer em profundidade. De referir, a exploração das águas de Campilho e de Salus Vidago na Vila de Vidago, e a exploração das águas das Caldas ou Termas, bicarbonatadas, sódicas, gasocarbónicas, silicatadas e levemente fluoretadas que brotam a uma temperatura de 73%, na cidade de Chaves, dotando o Concelho de potencialidades hídricas impares no contexto nacional e de projeção no plano internacional.
A cidade de Chaves tem nas suas tradições e festividades como a mais importante para além de muitas outras a Feira dos Santos de 30-31 de Outubro a 1 de Novembro.
Gente ilustre nascida em Chaves: António Joaquim Granjo; Cândido Sotto Mayor; Tenente Porfírio da Silva, Francisco Gonçalves Carneiro; José Guilherme Calvão Borges; Guilherme Martins da Veiga Calvão; Guilherme Almor de Alpoim Calvão e muitos outros que estão presentes no imaginário, dos flavienses.
Para além destes dados e como complemento de melhores acessibilidades à região de Chaves, para além das estradas já referidas, também existe um aeródromo nos arredores da cidade, o qual dispõe de boas condições para navegação aérea. Esta infraestrutura aeronáutica dispõe de uma pista asfaltada com 857 metros de comprimento e de 23 de largura e que tem ao longo destes anos desenvolvido um permanente gosto pela coisa da aviação, com a numeração 16(Norte) 34 (Sul) tecnicamente este aeródromo é muito adequado à utilização da aviação geral sem restrições.
A Força Aérea Portuguesa utiliza muito o Aeródromo de Chaves não só para treinos das tripulações desde CASA/EADS-C295M, como até o C 130 – Hércules, no transporte de militares no Regimento de Infantaria 19, sediado na cidade de Chaves em exercícios variados.
A proximidade da cidade de Chaves da Fronteira Espanhola dá-lhe uma autoridade estratégica relativamente ao território adjacente de Nuestres Hermanos, pois em Ourense Verin e todo o espaço até Vigo, Santiago de Compostela não possui qualquer infraestrutura Aeronáutica.
Torna-se necessário melhorar o Aeródromo do Campo da Roda transformando-o num aeroporto secundário para assim também beneficiar não só a região de Chaves, mas também a parte espanhola acima referida, servindo de base o projecto da Eurocidade-Chaves, com   dos governos de Portugal e da Galiza, incluindo o Eixo Atlântico, a CCDR Norte ( Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte) não esquecendo as associações regionais de Municípios do Alto Tâmega em Portugal), e na Mancomurida na Galiza.