Sentir Bragança…fora de Bragança!...

Na sequência de um convite que me foi dirigido pela Associação Portuguesa de Medicina Dentária Hospitalar (APMDH), participei, no passado dia 09/07/2016, sábado, no jantar anual daquela organização, que decorreu no Restaurante Rochedo, em Perafita, Matosinhos.
Não obstante a minha atividade profissional pouco ter a ver, diretamente, com esta área, o convite decorreu sustentado nas minhas ligações pessoais, sociais e até contextualizadas no âmbito do desenvolvimento de ações de voluntariado. Isto porque, para além dos principais responsáveis pela APMDH, Professor Doutor João Leite-Moreira e Doutor Domingos Paulo Subtil, respetivamente Presidente MAG e Presidente CA, serem Confrades da Confraria do Butelo e Casula, também nos liga um vínculo de amizade partilhada e de interação comum em atividades da Liga Portuguesa Contra o Cancro.
O prestígio e a abrangência do evento levaram a que mais de duas centenas de pessoas, oriundas de vários pontos do país, marcassem presença. Na sua maioria profissionais da área da Medicina Dentária, naturalmente. Também o Nordeste Transmontano esteve devidamente representado. Não só pelos convidados que viajaram de Bragança, Vila Flor e Vimioso, mas, sobretudo, porque o brigantino, Doutor Domingos Paulo Subtil é Presidente MAG, daquela organização de Médicos Dentistas, na qual tem cabimento qualquer licenciado, mesmo que não seja médico dentista, mas esteja sensibilizado para a inerente promoção. Este facto está bem espelhado no facto do presidente CA da APMBH ser médico especialista em medicina interna.
E foi, precisamente, este distinto profissional da medicina interna, Domingos Paulo Subtil que suscitou em mim uma emoção especial. É que, no seu discurso institucional, para além de outras referências ligadas à APMDH, à família, nomeadamente ao pai, Fernando Subtil, homem inesquecível no panorama jornalístico do nordeste transmontano, e à filha, futura médica, não se esqueceu de falar de Bragança, sua/nossa terra. Mas fê-lo de uma forma singularmente afetuosa e prestigiante, promovendo, no contexto, de forma perfeita, o nome da cidade e da região. Não se vivendo ali um ambiente social, que tivesse, diretamente, a ver com o nordeste, certamente que as palavras do Doutor Paulo Subtil, potenciaram, nos brigantinos presentes, um saudável conforto interior e acrescida descontração exterior. É que, quando estamos fora do nosso meio natural e ouvimos falar BEM da nossa terra, eleva-se o nosso ego, facilitando a comunicação/interação com os demais.
Mas, a capital nordestina, também foi evidenciada pela sua gastronomia. Em diversas ocasiões, a nossa singular e prestigiada iguaria, as casulas e o butelo, foi positivamente comentada, deixando aqueles que não a conhecem com muita vontade conhecer. Para que isto acontecesse, importa salientar que, além de mim e do senhor António Machado, estavam presentes outros confrades, como, por exemplo, os já referidos, João Leite-Moreira e Paulo Subtil, bem como o Doutor Jorge Marinho e Doutor Renato Martins. Homens que adoram da nossa gastronomia e a região, reservando para esta muito do seu tempo, incluído nas atividades de voluntariado da Liga Portuguesa Contra o Cancro.
Todavia, as referências brigantinas, não se ficaram por aqui. É que o homenageado da noite, agraciado com o título de Associado Honorário da APMDH, Dr. José Ribeiro da Costa Nunes, amarantino residente no Porto, tem por Bragança uma especial admiração, porquanto está ligado à formação pós-licenciaturas, da Escola Superior de Saúde – IPB.
Tratou-se, com efeito, de um evento que acabou por se tornar promotor fluente da nossa gastronomia, da nossa região e da nossa gente. De facto, é sempre bom quando estamos fora do nosso cantinho nordestino, Sentir Bragança…fora de Bragança!...