Campeonato Distrital de Futebol

Leandro Pedrosa: "Tinham-me dito que era eu o treinador mas depois vi outro no lugar"

Publicado por AGR em Sex, 2018-01-19 11:21

Leandro Pedrosa fez grande parte da sua carreira no Moncorvo, mas passou por clubes dos Nacionais e mesmo da II Liga, tendo jogado, por exemplo, no União da Madeira. Foi em Moncorvo que pendurou as chuteiras e se iniciou como treinador. Depois de uma saída conturbada do clube que orientou no CPP no ano passado, foi convidado para assumir o Mós, também do concelho de Moncorvo. Estreou-se precisamente contra a antiga equipa mas o seu dedo já se faz sentir.
Mensageiro de Bragança: Como surgiu este projeto?
Leandro Pedrosa:
Surgiu de repente, não estava a contar. Foi um convite do presidente do clube, o Sr. Belarmino, e foi a oportunidade de continuar a treinar, que é o que mais gosto.

MB.: Saiu com mágoa do Moncorvo?
LP.:
Claro. Até outubro, era treinador do Moncorvo e não houve uma palavra de ninguém da direção a dizer que já não era eu o treinador. O que a direção me tinha dito é que quem ia preparar a época era eu. Eram os mesmos jogadores que estão lá.

MB.: Quando soube que afinal não era o treinador?
LP.:
Quando começaram a pré-época e vi que estava lá outro treinador.

MB.: Mesmo assim não foi fácil sair…
LP.:
Não. Tinha contrato com o Moncorvo até final de outubro. Mandei um email ao presidente da altura mas, até à data, não recebi qualquer resposta.

MB.: E agora, quais são os objetivos no Mós?
LP.:
Tentar fazer a melhor classificação possível e ver o que este projeto vai dar.

MB.: Como tem sido recebido este projeto em Moncorvo?
LP.:
Tem sido bem recebido. As pessoas vão aos jogos. Quando foi contra o Moncorvo, nunca tinha visto tanta gente no futebol como naquele dia.

MB.: É uma lufada de ar fresco para a região?
LP.:
Acho que sim. Mas para o orçamento que o Mós tem, é complicado combater contra outros clubes.

MB.: O plantel tem muitos jogadores estrangeiros. É pela dificuldade em encontrar mão d’obra na região?
LP.:
Exatamente. Os clubes daqui não podem viver da formação para jogar futebol. Neste momento, todos os treinadores que são mais velhos do que eu têm noção disso. Não podemos estar só a contar com jogadores da terra para poder evoluir, para ir para outras divisões. E o atual modelo competitivo prejudica a região. Um jogador vir de outro lado fica muito caro. Se bem que hoje quase que fica mais barato ter jogadores estrangeiros. Mas a mentalidade desta geração é completamente diferente. Não nos importávamos de ir a pé para os treinos, com o saco debaixo do braço. Hoje em dia não estão para fazer esforços para treinar. E têm mais condições, pois o futebol evoluiu. Mas não evoluiu em termos de mentalidade. Futebol é um trabalho como outro qualquer. Eu joguei no distrital mas também joguei na II Liga. Tem de haver esforço e mentalidade.
 
(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impressa)