A Grécia, Portugal e a Europa

Vivemos um tempo onde a vertigem dos acontecimentos deixa pouco espaço para uma reflexão cuidada e que sustente uma visão estratégica a prazo. O mundo, e naturalmente a Europa, são governados por poderes ocultos, não escrutináveis, que têm destruído equilíbrios absolutamente fundamentais que vão do ambiente à economia e da demografia à coesão social. O dinheiro, e o poder que incorpora, está sob a alçada de um punhado de “gigantes” que amedrontam e condicionam a vida das sociedades e dos povos.