CREIO NO AMOR SEQUIOSO DE JESUS

 Creio no amor sequioso de Jesus, que nos revela o amor do Pai, o Deus de Israel, que amava a sua esposa e dizia que tinha ânsias de mais amor, afirmando que mesmo que a mãe esquecesse o seu filho, Ele, por amor, não esqueceria Israel.
Creio no amor sequioso de Jesus, que não cessa de nos dizer “vinde a Mim”, que deseja a nossa presença, a nossa amizade, a nossa companhia, o nosso diálogo, a nossa intimidade, para nos fazer mais felizes.
Creio no amor sequioso de Jesus, que veio trazer o fogo à terra, que o trouxe em seu ser e em seu Coração, e que só deseja que esse fogo seja ateado e incendeie sempre mais outros corações.
Creio no amor sequioso de Jesus, que sente desejos de conquistar a nossa ami-zade, de estabelecer connosco uma vida de permanência no amor puro, no dom total, na dádiva generosa, porque nos quer com amor infinito.
Creio no amor sequioso de Jesus, que passou no mundo fazendo o bem, que não se poupou a dom e a sacrifício, a fome e a sede, no desejo louco e apaixonado de Se dar sem cessar ao seu rebanho, com amor sem medida.
Creio no amor sequioso de Jesus, que apesar de ser água viva, sempre a jorrar, continua a ter sede de nós, dos nossos corações fracos e débeis, pois os quer para Ele, num amor que a Bíblia chama de fogo, de paixão amorosa.
Creio no amor sequioso de Jesus, que quis conquistar o coração do jovem rico, chamou muitos para deixarem tudo e O seguirem, quis estabelecer amizade com peca-dores, doentes, marginais, pois queria fazê-los felizes.
Creio no amor sequioso de Jesus, que teve pena e sofreu pela falta de com-panhia de Pedro e dos outros Apóstolos na noite da Agonia, enquanto suava sangue, gemia e tinha pavor e sentia ardentemente a solidão dos amigos.
Creio no amor sequioso de Jesus, que no alto da Cruz clama: “tenho sede” e fica à nossa espera, deseja a conversão dos pecadores, a amizade de todos, a fidelidade dos seus escolhidos, a vida e o amor dos homens, a santidade e a paz para todos.
Creio no amor sequioso de Jesus, que acendeu o fogo no coração dos discípulos de Emaús ao explicar-lhes as Escrituras que falavam d’Ele mesmo e continua, em Igreja, em comunhão de irmãos, a realizar o mesmo prodígio do seu amor.
Creio no amor sequioso de Jesus e quero saciá-lo, dar-me a Ele, ser d’Ele, cres-cendo na entrega, na fidelidade, no amor sem medida, e ajudando outros a entregarem-se para Lhe matarem a sede de amor.