A opinião de ...

Débitos diretos: vigie a sua conta

Muitos consumidores usam os débitos diretos para pagar contas regulares, como água, luz, gás, seguros, cartões de crédito, entre outras. É preciso acompanhar esses movimentos para garantir que não é retirado dinheiro de forma indevida. Caso detete um débito não autorizado, informe o banco.
A prevenção começa na utilização que faz dos seus dados bancários. Faculte o NIB e outros dados bancários apenas a entidades credíveis, com as quais mantenha uma relação contratual ou algum outro vínculo sólido (como fornecedores de energia ou telecomunicações).
Consulte regularmente a lista de autorizações de débito direto que mantém ativas. Pode fazê-lo através da internet, se tiver acesso online à conta bancária. Também é possível consultar numa caixa Multibanco: selecione a opção "Consultas" e "Autorizações de débito". Outra alternativa é ir ao balcão do banco que gere a sua conta.
Se quiser desativar uma autorização de débito direto, poderá fazê-lo através de uma operação simples e rápida. No Multibanco, basta selecionar a autorização em vigor e mudar o seu estado para “inativo”. Para garantir que o prejuízo provocado por um eventual erro não é superior a determinado montante, limite os valores a debitar por cada entidade. Pode fazê-lo no Multibanco ou pelo homebanking.
Monitorize regularmente os movimentos da sua conta. Caso detete um débito proveniente de uma entidade não autorizada por si, contacte de imediato a instituição bancária e denuncie a situação. Tem um prazo de 13 meses para o fazer. O banco é responsável por este débito não autorizado e deverá restituir-lhe a quantia debitada indevidamente.
Se identificar que um débito validado por si foi efetuado pelo valor errado, reclame junto da entidade prestadora do serviço a quem deu autorização. Essa reclamação pode ser feita até 8 semanas após a cobrança. Exija a devolução do dinheiro debitado a mais ou o acerto de contas na próxima fatura.
Para pedidos de apoio dirija-se à DECO (deco.norte@deco.pt) ou ao Gabinete de Apoio ao Consumidor da Câmara Municipal de Alfândega da Fé ou de Macedo de Cavaleiros. A DECO dispõe de um protocolo de colaboração com estas Autarquias e presta apoio presencial nestes concelhos.

Edição
3667