Pe. Telmo continua a voar nas alturas…

O Papa Francisco, no famoso discurso à Cúria Romana nas vésperas do Natal de 2014, em que elencou as quinze doenças curiais, disse também: “Certa vez li que os sacerdotes são como aviões: só fazem notícia quando caem, mas há tantos que voam”.
Morreu um dos padres mais dedicados e, ao mesmo tempo, mais discretos da diocese de Bragança – Miranda: o Pe. Telmo Baptista Afonso, que voou bem alto durante toda a sua vida. Vivia e movia-se acima da lamentável e condenável coscuvilhice e maledicência eclesiástica, que demasiadas vezes se acantona e campeia nos corredores do poder, e a que, infelizmente, as dioceses não são imunes.
Nos últimos dias de vida confidenciou-me que nunca falou mal de um bispo. Quem com ele convivia pode testemunhar que ele preferia sempre realçar os aspetos positivos de uma pessoa, sacerdote ou não, do que os seus defeitos. Que habitualmente omitia.
Assumiu as mais destacadas missões na igreja brigantina. No início da sua vida sacerdotal foi professor e prefeito no seminário de Vinhais. Depois desempenhou as mesmas funções no seminário de Bragança. Foi diretor do Colégio de S. João de Brito, diretor espiritual dos Cursos de Cristandade, vigário geral e reitor do Seminário. Apesar do papel relevante que desempenhou na vida diocesana, desde os anos oitenta remeteu-se à função de humilde “cura de aldeia” na sua terra natal, o Zoio, e povoações serranas circunvizinhas.
A sua morte é agora notícia no jornal diocesano. Mas a sua vida gasta ao serviço das pessoas, e na atenção às necessidades de todos, não mereceu qualquer destaque mediático. Foi um formador do Seminário dedicado aos seminaristas, de quem sabia o nome completo muitos anos depois de lhe terem passado pelas mãos.
Foi um capelão atento a todos soldados, particularmente aos mais necessitados. Nunca recebeu o salário a que tinha direito pela capelania do quartel de Bragança. Entregou-o, sempre na totalidade, para a Obra do Soldado. Visitava os presos. E, sempre que tinha algum paroquiano ou conhecido no hospital, imediatamente lhe prestava assistência. Antecipando-se mesmo ao capelão, não deixando nunca de lhe pedir autorização para o sacramentar, quando era caso disso. Comigo aconteceu por diversas vezes.
O Pe. Telmo continua agora a voar nas alturas adequadas à grandeza da sua alma. Recebe agora a retribuição, que tantas vezes rejeitou, pelo bem que fez ao longo dos seus 86 anos de vida…