Nuno Pires

Assessor principal de reeducação
anunopires@hotmail.com

Vizinhanças positivamente interativas

Lembro-me, desde a minha terna idade, de uma história que o meu pai me contava, cuja lição moral se resumia ao valor inerente à partilha e à promoção de uma relação positiva com a vizinhança.

Caminhar pela natureza….em beleza!....

Teve lugar, no passado sábado, dia 09/04/2016, mais uma edição da Caminhada Rural, inserida no “Projeto Bragança Saudável – Macedo do Mato Solidária”.
Tendo em conta o prestígio, quer em termos organizativos, quer logísticos, ou mesmo no que toca aos aspetos relacionados com a beleza paisagística, o número de participantes ultrapassou, uma vez mais, as expetativas. Cerca de centena e meia marcaram presença no evento.

Lava-pés no contexto prisional

Ao longo de mais de três décadas no exercício de funções profissionais no Estabelecimento Prisional, já promovi e assisti a diversas visitas do Bispo da Diocese Bragança a esta instituição penitenciária da capital do distrito. O prelado nordestino chegou mesmo a participar em conferências voltadas para os reclusos, no âmbito do tratamento prisional.

Opinião!... Da fogueira ao campanário!...

Quando a primavera floresce, o tempo de Páscoa aparece, despertando, com mais intensidade, o brilho do sol, a alegria e a renovada energia.

Ter pai e ser pai…com alegria!...

Não há dúvida. A vida não existira sem os nossos pais. São, portanto, a fonte de vida, da nossa vida!...E aqui, quando evoco os pais, faço-o no unificado conjunto, de pai e mãe. É dessa união que recebemos a semente que determina e potencia nossa vida. Por isso, nada nos pode dissociar dessa conceção, mesmo que, sobretudo em tempos idos, em muitos registos de nascimento, do nome dos progenitores se verificasse a omissão. Independentemente do inegável e insubstituível valor da mãe, que muito singularmente valorizo, o que pretendo evocar, agora, é o papel PAI!...

A propósito dos… Assuntos Económicos Paroquiais

Pela experiência de vida em geral e pela relação que tenho com a Igreja em particular, não me parece que seja das pessoas menos esclarecidas no que toca ao funcionamento das conhecidas Comissões Fabriqueiras. Não faço, nem pretendo fazer, parte do grupo de pessoas iluminadas que sabem tudo e de tudo.

Quaresma reflexiva!...

Estamos em pleno período quaresmal, de reflexão, durante o qual os cristãos se preparam para a festa da Páscoa, celebrando o triunfo da VIDA sobre a morte, recordando o mistério da ressurreição de Jesus Cristo. Portanto, nesta caminhada, devemos ser levados a refletir sobre a importância da vida terrena, num contexto de melhoria evolutiva, tendo em vista o aperfeiçoamento contínuo.

Bragança, as celebrações e a comunidade!...

Bragança, cidade do “Reino”, capital de distrito, comemorou, no passado dia 20, do mês corrente, mais um aniversário, o 552.º!... Bonita idade, sem dúvida. Se todo o seu passado faz da capital nordestina uma cidade com história e tradição, com referências singulares, a vários níveis, interessa, agora, que o seu passado seja potenciador de uma afirmação positiva no presente, com perspetivas motivadoras em relação ao futuro.

Betânia, a organização e a MISSÃO!...

Ao longo de cada ano, são inúmeros os dias que há celebrações para assinalar um considerável número de feitos, de pessoas, condições, estatutos…enfim, datas que permitem chamar a atenção do nosso mundo para a importância do que é celebrado. Assim celebra-se o dia da mãe, do pai, dos amigos, dos namorados…da mulher!... Devo dizer que concordo com este tipo de celebrações, não só pelo significado em que se sustentam, mas também pelos valores que representam.

O saber não ocupa lugar!...

Não viemos ao mundo para ficar parados, muito menos para que tudo, ou algo que pretendemos, nos venha a parar à mão, de mão beijada, sem nos esforçarmos minimamente para que isso aconteça. Devemos ser ativos e participativos, empreendedores e cooperativos.
Cada um de nós deve empenhar-se na aquisição de uma cultura do conhecimento e na prática de atitudes responsáveis que garantam perfeita sintonia entre o que fazemos, os inerentes objetivos e o espaço onde nos movimentamos.