A opinião de ...

Smart Travel 2014 promove Nordeste de Portugal

Dentro de pouco menos de 2 meses, o Nordeste vai receber um evento, que neste momento, já ultrapassou as fronteiras nacionais e locais, sendo já considerado por muitos como um dos eventos do ano na Europa e no Mundo. O Smart Travel 14 vai juntar em Trás-os-Montes e Alto Douro alguns dos melhores especialistas, estrategas, urbanistas, investigadores e empreendedores em áreas tão diversas como essenciais à nossa sociedade atual.
O evento, em si próprio, é do mais inovador e disruptivo. A organização, suportada pelos dois Grupos de Ação Local (GAL) Corane (Terra Fria) e Desteque (Terra Quente), pretende dar sinais ao território que há caminho futuro para percorrer, que as portas não estão a fechar-se mas antes a abrir-se e também pretende impulsionar e motivar setores económicos e sociais na região para agarrarem as ferramentas corretas, contribuindo também para um desenvolvimento efetivo dos seus negócios, das suas vilas e cidades, no fundo, que ajudem a “desencravar” este território. A importância do Smart Travel enquanto ferramenta é também evidente. Pelo evento irão passar os melhores casos de estudo, muitos destino turísticos (inteligentes ou não) marcarão presença, assim como vão marcar presença vários responsáveis administrativos e políticos de proveniências diversas. E também se espera que a própria região participe e se envolva.
De novo, falar em Destinos Inteligentes e em Cidades Inteligentes não é suficiente se não existir uma base social que suporte inovação, a diferença, a criatividade, etc. Regressar aos eternos debates sobre estratégias e políticas que nada trazem de novo à região é desperdiçar energia, é dar passos atrás, voltar aos bairrismos e às capelinhas. As marcas não existem por si próprias, têm de ser criadas, trabalhadas e impulsionadas. Mas também devem ser discretas (mas evidentes), humildes, (mas fortes), simples (mas completas) e honestas.
O Smart Travel já é conhecido fora de portas e uma das suas missões também já está a ser cumprida, a de dar a conhecer as potencialidades e a qualidade deste território. Cerca de 20 excursões (experiências) estão a ser divulgadas nos canais online e também em eventos exclusivos. São os resultados positivos da união e parceria institucional que deve ser aprofundada e alargada. O Nordeste de Portugal precisa que todos remem para o mesmo lado e, nos dias de hoje, com destinos e marcas a surgir como cogumelos, já não é suficiente ‘estar’ nem ‘ser’, é também necessário ‘fazer’ e, de preferência, bem.
 

Edição
3494