A opinião de ...

O Natal que se avizinha

Apesar de envolvido em andanças, que são públicas notórias, não posso deixar de escrever umas palavras, para corresponder à solicitação do Sr. Padre José Carlos Martins.
Sobre o Natal, que se avizinha.
Um Natal, desde já marcado, pelos atentados terroristas de Paris e do Mali.
Todos, violando o essencial do respeito pela pessoa humana e pela sua dignidade. De uma forma revoltante, que nenhuma causa, nenhum argumento podem justificar.
Atingindo vítimas inocentes, como inocentes têm sido as vítimas das guerras que determinam tantos refugiados e provocam tensões enormes em países do leste do nosso continente.
Terrorismo, refugiados, imigrantes, guerras, temor de muitos europeus, sofrimento de povos no Próximo e no Médio Oriente. Que quadro, a um mês do Natal!
Dirão muitos-nada de novo no mundo. Digo eu – agravamento do que vinha do passado.
Mais uma razão para não desistirmos. Para continuarmos a lutar pela paz, pela justiça, pelo respeito dos direitos das pessoas, da liberdade aos direitos económicos, sociais e culturais, da segurança democrática ao espírito de convivência plural.
Esse desafio é de todos. É, particularmente, dos cristãos, à luz da doutrina social da Igreja, dos ensinamentos de sucessivos Papas do nosso tempo, até ao Papa Francisco, da mensagem do Concílio Vaticano II.
Não podemos desistir, renunciar, baixar os braços. Onde quer que estejamos. Façamos o que fizermos.
Que este Natal possa ser um Natal de Esperança no meio do desespero, de Fé no meio da descrença, de Amor no meio do egoísmo!
Assim Deus nos ajude! E nós ajudemos à concretização do apelo divino!

Edição
3554