Atual // Nordeste Transmontano

ULS admite adiamento de consultas devido à deslocalização de médicos para o Algarve

António G. Rodrigues em Sex, 05/08/2016 - 09:00

Está cada vez mais acesa a polémica deslocalização de três médicos da Unidade Local de Saúde do Nordeste para o Algarve.
A Câmara de Bragança tomou uma posição pública, assumida por unanimidade em reunião de Câmara, o que significa a concordância dos sete vereadores do Executivo, quatro do PSD, dois do PS e o independente Humberto Rocha.
Neste documento, a autarquia acusa a ULS de ter uma lista de espera de 800 doentes para uma cirurgia de ortopedia. “Vai dilatar ainda mais o tepo de espera que, segundo o portal da saúde, já é de 194 dias”, lê-se.
Por outro lado, o comunicado da Câmara de Bragança lembra o despacho do Governo a assumir a carência de recursos médicos na ULS, chamando ainda a atenção para o aumento grande de população no distrito de Bragança que se verifica nesta altura do ano.
Por esses motivos, a autarquia propõe “a revogação imediata desta medida” de deslocalização dos médicos, dois ortopedistas e um anestesita que vem na sequência do que também foi exigido pela distrital do PSD.
Pede-se, também, a admissão urgente de pessoal médico nas especialidades identificadas com carências, nomeadamente “anestesiologia (1), ortopedia (1), cirurgia geral (1), ginecologia/obstetrícia (2), medicina física e de reabilitação (1), medicina interna (3), oftalmologia (1), ortopedia (1), urologia (1)”.
 Causou estranheza a votação dos dois vereadores do PS mas Vítor Prada Pereira e André Novo foram apoiantes de José Seguro na disputa interna e estão algo afastados da corrente da atual estrutura concelhia.

ULS admite adiamentos

Entretanto, o Mensageiro pediu esclarecimentos à ULS sobre os constrangimentos causados pela ida dos três médicos para o Algarve até setembro.
 
(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impressa)