A opinião de ...

Santo Condestável de Bragança

Pela afinidade homónima com D. Nuno Álvares Pereira, pelas referências históricas de triunfo, liderança, caridade e santidade, pela identidade que confere a vizinhança, e, sobretudo, pela Fé, tenho, desde a sua criação, uma ligação especial à Paróquia de Santo Condestável de Bragança.
Participei nas celebrações Eucarísticas quando aconteciam na Capela se Santo António, vi nascer e crescer a atual Igreja e todo o complexo social envolvente. Inevitavelmente. Acompanhei, como leigo, inicialmente, e como elemento mais participativo e empenhado, depois, a dinâmica desta paróquia nordestina, que conta já com mais de três décadas e meia de vida. Naturalmente que não me esquecerei, da forma como fui convidado a participar ativamente nas organizações festivas anuais, pelo pároco de então, o agora Monsenhor Adelino Pais, sacerdote que muito estimo e admiro. Como não me esquecerei, sobretudo, da introdução das célebres Conferências no programa das Festas anuais em Honra de Santo Condestável que ainda hoje são representativas no contexto das dinâmicas paroquiais. Como não me esqueço de muitas pessoas que ali conheci e párocos com quem convivi, como agora o Padre Fernando Calado, de quem sou secretário, no âmbito do Conselho Paroquial de Assuntos Económicos.
Inegavelmente que a evolução baseada na sustentabilidade religiosa e de exaltação da Fé, bem como as dinâmicas sociais que se vivem e respiram na Paróquia de Santo Condestável, falam por si.
Vem isto a propósito da celebração do 30.º aniversário do Centro Paroquial Social de Santo Condestável, cujas comemorações decorreram, recentemente, na cidade de Bragança. De uma forma simples, envolvente e sentida, as cerimónias inerentes à celebração deste aniversário, tiveram lugar nas instalações do Centro Social Paroquial. Como não poderia deixar de acontecer, presidiu à celebração da efeméride o Bispo da Diocese, D. José Cordeiro, marcando ainda presença, entre muitos outros convidados institucionais, a direção, a fábrica da Igreja e diversos funcionários, D. António Montes, anterior Bispo de Bragança/Miranda. Uma presença que, particularmente, saúdo.
Sendo o Pároco anfitrião, o Padre Fernando Calado fez as “honras da casa”. Decorrente dessa condição e como presidente da direção do Centro Social Paroquial, aproveitou a ocasião para falar sobre a forma como nasceu e cresceu a instituição, o que representa para o Bairro da Mãe D`Água, da Estação, que lhe confere a identidade, para a cidade e para a região. Fruto de grande devoção e genuína dedicação, de muitas pessoas, cimentada na convergência da Fé e identidade religiosa, a história deste Centro Paroquial, foi sustentada numa tarefa tão árdua e motivadora, quanto ousada e regeneradora. Ao longo destas três décadas, o Centro Social Paroquial de Santo Condestável tem procurado promover um vasto conjunto de respostas sociais para minorar ou resolver alguns dos muitos e complexos problemas que existiam e existem na comunidade, estendendo os seus serviços a toda a capital de distrito, ao concelho e à região nordestina.
Assim sendo, não posso deixar de apresentar os meus parabéns a todos quantos, ao longo dos anos, tornaram e tornam possível esta “Obra da Diocese”, assumindo uma dimensão e caraterísticas singulares, na cidade de Bragança e em todo o Nordeste Transmontano.

Edição
3671