Nordeste Transmontano

Produtores de castanhas criam Agrupamento para estancar queda nos preços pagos na região

Publicado por António G. Rodrigues em Qui, 2015-12-10 10:31

São já mais de duas dezenas os produtores de castanhas dos concelhos de Bragança e Vinhais que se uniram para criar o Agrupamento de Produtores do Transbaceiro.
Em causa está a vontade de estancar a queda no preço pago aos produtores pelos negociantes que andam de aldeia em aldeia a comprar castanhas. Este ano foi quase um terço do que foi pago em 2014.
“Os produtores sentem que houve um aproveitamento do preço”, explicou Manuel Fernandes, do Parâmio, onde decorreu a primeira reunião do grupo, no sábado, que permitiu unir esforços e vontades, para já.
Os agricultores acreditam que houve “centralização de preços”. “Houve má vontade deles em pagar a castanha ao preço justo”, sublinhou.
Este ano, os preços pagos rondaram o 1,50 euros pela castanha judia e um euro pela longal, quando, no ano passado, no final da campanha, o preço esteve quase nos três euros.
“O preço da castanha pago este ano aos produtores vai refletir-se na economia do distrito. Haverá muito menos dinheiro a circular”, garante Manuel Fernandes, proprietário do restaurante Capelas, que acolheu o início da ideia e do debate.
Já Norberto Pires, de Terroso, acredita que é “boa ideia”. “Desde que a gente saiba organizar bem isso”, avisa este produtor de cerca de dez toneladas de castanhas.
“Pelo que estou a ver, os compradores reúnem-se e o preço baixa cada vez mais”, aponta. Por isso, esta é “uma forma de combater isso”.
 
(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impressa)