A opinião de ...

Hecatombe Explosiva…

Lembra a História que há cerca de 3600 anos uma explosão vulcânica de dimensões apocalíticas, uma super mega erupção, no arco vulcânico do Mar Egeu, pode ter levado à extinção da Civilização Minoica em Creta e à origem da lenda Platónica do desaparecimento da Atlântida.
Esta Mega Erupção Pliniana teve um grau destruidor de IEV (índice de explosividade vulcânica) entre 6 e 7 considerado de destruição total. Dizem os cientistas que esta catástrofe, neste local, ocorre a cada 5000 anos com previsões de nova tragédia para daqui a cerca de 1400 anos. Estamos a falar do vulcão/ilha Tera=Santorini situado no Arco Egeu com cerca de 500 Kms de comprimento e 40 de largura, hoje belíssima estância turística de atração planetária. As nuvens e os tsunamis agigantadas pelos ventos ciclónicos gerados por esta natureza em fúria dizimaram a vida a milhares de quilómetros de distância.
Quatro vezes abaixo no grau de fúria destruidora surge o Grande Krakatoa situado no estreito de Sunda entre as ilhas de Java e Sumatra na Província Indonésia de Lampung. É considerada a 2.ª erupção mais fatal da História e a 6.ª maior do mundo onde se situam: Tambora em 1815, Hatep em 180 DC e Baekdu em 970 DC. As ondas, naquela altura, foram sentidas em Liverpool, Inglaterra.
Dizem os cientistas que a ilha, filha deste Krakatoa, batizada como Anack Krakatoa, esboçou o primeiro riso neste Dezembro de 2018. O vulcão que nela nasce, com caldeira em enchimento, se atingir a altura do seu pai, a explosão causará a extinção de mais de metade da população mundial bem como a destruição de boa parte da flora hoje conhecida.
Especialistas nacionais afirmam que Portugal mantém vestígios vulcânicos, sem atividade, na Serra de Sintra, Monchique e Manteigas mas que esta calmaria poderá ser alterada pela subducção de placas sendo, o terramoto de 1755, indício de potencial mudança, da formação de novas caldeiras magmáticas.
Mas, há sempre um mas, não contentes com este retardanço que nos alivia, os nossos políticos aprumam-se quais chaminés expedidoras de material explosivo e incandescente.
O PS e seus acólitos, salvadores com mérito, estão no teimar, no deitar a perder o sacrifício de um povo exausto. Ao acenderem o rastilho das 35 horas semanais apenas para a Função Pública, para além de cavarem ainda mais o fosso desigualitário entre publico e privado, puseram a nu, a partir daí, uma gritante falta de mão de obra, transversal, em toda a Administração Pública. Não se sabe o custo financeiro desta operação charmosa da esquerda bafienta. E são estes mesmos funcionários, com aumento salarial por este trabalho a menos, que estão nas ruas ensurdecendo os ouvidos dos eternos esquecidos, exigindo aumento de ordenados.
A caldeira do populismo está em enchimento, a chaminé fumegará até Outubro, os alicerces democráticos da Justiça, Saúde e Ensino tremem a cada momento expectando o desmoronar, e na rua, na base do cone, ganha força o delírio, perspetivando uma arrepiante Hecatombe Explosiva…

Edição
3713