A SEDUÇÃO DE UM SORRISO

António Alberto Barbosa Areosa – Beto Areosa como era mais conhecido e gostava de ser tratado. O sorriso era a sua imagem de marca. Um sorriso, desde sempre sublinhado por um bigode acolhedor que, com o tempo foi crescendo e enrolando tornando-o único e inconfundível.
Dizer bem dos que partiram, tornou-se um lugar comum e por isso às vezes é difícil saber realçar as qualidades daqueles que, tendo igualmente partido, se notabilizaram pela bondade. Tentei, por isso mesmo, fazer um exercício oposto e rebusquei, demoradamente na memória, lembrança, ainda que remota de alguém que dele tenha feito qualquer comentário menos abonatório. O máximo que consegui foi uma afirmação de um seu adversário, que com ele concorreu, numa das várias inicativas cívicas que protagonizou que para se justificar, o “melhor” que conseguiu articular com alguma credibilidade foi insinuar que o Beto seria mais indicado para uma outra posição, que não aquela. Não me convencendo, essa foi uma argumentação que não me custou aceitar pois era fácil imaginar o Beto a liderar qualquer um dos projetos a que se propôs. Reservou-lhe a vida a oportunidade de dirgir a comunidade docente e discente de Torre de Moncorvo fazendo dele, se não me engano, no dirigente escolar mais antigo do distrito e sem qualquer interrução desde 1994.
Conheci-o um ano antes e a empatia foi quase instantânea. Devo-lhe o empenho, a moderação e, sobretudo, a forma leal e dedicada com que apoiou a minha candidatura de então. Ficou uma amizade que perdurou desde então, apesar de alguns interregnos de ausência de comunicação. Recentemente estivémos juntos em Bragança quando foi assinado pelo então Diretor do IGC, António Coutinho, um projeto que levou alguns dos melhores alunos de Moncorvo a estagiarem no Instituto Gulbenkian de Ciência. Foram vários os alunos que passaram pelo IGC, mas nenhuns tiveram o acompanhamento, cuidadoso, empenhado e carinhoso como o que rodeou os alunos da Escola Dr. Ramiro Salgado. A elegância, simpatia e sobretudo o sorriso sedutor do Diretor da Escola Secundária de Moncorvo, ainda hoje são lembrados por quem os recebeu em Oeiras. Igualmente foi determinante a sua ação e empenho na participação moncorvense na Maratona da Saúde, em 2014. Só é pena que outras instituições, com outros dirigentes, não tenham dado seguimento a esta participação que de forma graciosa se disponibilizou para promover a nossa terra.
Lembrar o Beto é lembrar um homem bondoso e sorridente. Um sorriso envolvente e caloroso que foi e será, para a posteridade a imagem de marca de um ser generoso, empenhado e que dedicou toda a sua vida às causas em que acreditou e em que se empenhou. Até sempre, Beto Areosa, meu amigo!