Diocese de Bragança-Miranda

Mensagem de Natal de D. José Cordeiro

Publicado por AGR em Ter, 2015-12-15 09:55

Natal 2015
 
      A celebração do Santo Natal é oportunidade feliz e desafiante para um novo humanismo em Jesus Cristo.
      Deus é carne (Jo 1,14) e quis nascer numa família humana. Maria e José acolhem a Graça Maior da divindade e da humanidade. A encarnação de Deus na vida e na história das pessoas abriu uma inédita relação do ser com e para os outros nos caminhos da santidade e da misericórdia.
      O mistério do nascimento de Jesus Cristo, a Luz que nasce da Luz, espicaça constantemente a uma Igreja alegre, servidora e pobre ao serviço de todos, especialmente dos que mais precisam. O desafio da Igreja é o de uma pastoral mais profética no mundo, «porque a sua comunidade é formada por homens, que, reunidos em Cristo, são guiados pelo Espírito Santo na sua peregrinação em demanda do reino do Pai, e receberam a mensagem da salvação para a comunicar a todos. Por este motivo, a Igreja sente-se real e intimamente ligada ao género humano e à sua história» (Gaudium et Spes 1).
      O Natal proclama a dignidade inalienável da pessoa humana e transforma o coração dos que desejam ver o Invisível «para que, contemplando a Deus visível aos nossos olhos, aprendamos a amar o que é invisível» (Prefácio do Natal I).
      Por isso, precisamos de adultos que sejam educadores e testemunhas com as crianças, com os adolescentes e com os jovens nos caminhos da verdade, da justiça, da responsabilidade e da liberdade em todos os ambientes humanos, naturais e digitais, para vermos a salvação de Deus (cf. Lc 3,6) e para uma cultura da ternura.
      De coração aberto, na alegria da fé, da esperança e da caridade, sejamos autênticos discípulos missionários da Paz e da Luz do Evangelho.
      A cada pessoa e a todas as famílias, um santo e misericordioso Natal!
 
+ José, Bispo de Bragança-Miranda
 
 
Natal 2015
 
      La fiesta de l Santo Natal ye oucasion feliç i zafiante par’un nuobo houmanismo an Jasus Cristo.
      Dius ye carne (Jo 1,14) i quijo nacer nua família houmana. Marie i Jesé acuolhen la Grácia Maior de la debindade i de l'houmanidade. L'ancarnaçon de Dius na bida i na stória de las pessonas abriu ua nuoba relaçon de l ser cun i pa ls outros ne ls caminos de la santidade i de la mezericórdia.
      L mistério de l nacimiento de Jasus Cristo, la Lhuç que nace de la Lhuç, spicaça custantemente a ua Eigreija alegre, serbidora i pobre al serbício de todos, subretodo de ls que mais precísan. L zafio de l’Eigreija ye l dua pastoral mais profética ne l mundo, «porque la sue comunidade ye formada por homes, que, reunidos an Cristo, son guiados pul Sprito Santo na sue peregrinaçon an demanda de l reino de l Pai, i recebírun la mensaige de la salbaçon pa la comunicar a todos. Por este motibo, l’Eigreija sínte-se rial i antimamente lhigada al género houmano i a la sue stória» (Gaudium et Spes 1).
 
      L Natal proclama la dignidade inalienable de la pessona houmana i trasforma l coraçon de ls que zeian ber l Ambisible «para que, cuntemplando a Dius bisible als nuossos uolhos, dapréndamos a amar l que ye ambisible» (Prefácio de l Natal I).
 
      Por isso, precisamos d'adultos que séian eiducadores i teçtemunhas cun ls ninos, cun ls adolecientes i cun ls moços ne ls caminos de la berdade, de la justícia, de la respunsabelidade i de la lhibardade an todos ls ambientes houmanos, naturales i digitales, para bermos la salbaçon de Dius (cf. Lc 3,6) i para ua cultura de la ternura.
 
      De coraçon abierto, n’alegrie de la fé, de la sperança i de la caridade, séiamos outénticos çcípulos missionairos de la Paç i de la Lhuç de l Eibangelho.
      A cada pessona i a todas las famílias, un santo i mezericordioso Natal!