A opinião de ...

A importância do humor e, das previsões dos astrólogos para 2020

A Alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus, de quem renasce sem cessar a alegria cristã, da qual ninguém se deve sentir excluído, ou ficar indiferente. Somos chamados a ser cristãos Pascais e, não crentes de Quaresma sem Páscoa, exorta o Papa Francisco.
A alegria e o bom humor inspiram a anedota, da qual o protocolo diz que a breve, e disparatada, geralmente é inteligente e menos comprometida. Requer graça, sem ser tola, reflexão, espirito, oportunidade, sem discriminar. E, enquanto se conta não se interrompe, mesmo que já se conheça.
Vejamos uma das rábulas de Ricardo Araújo Pereira [RAP]:
“RAP - Nós não percebemos o que nos ia acontecer, fomos avisados por quem sabe ver o futuro, as previsões dos astrólogos para 2020, eram claríssimas...”.
Após ouvir seis astrólogos a vaticinar os melhores augúrios para 2020, RAP conclui:
- “É muita socialização, é impressionante como tudo isto bate, tudo certinho! A gente a pensar que aquilo é tudo aldra [...]. Não, não, estiveram a olhar para os astros, não é… e surpreendentemente o alinhamento de Saturno, com Mercúrio, não indicou que em março o mundo ia acabar todo. Atenção pode ter sido uma conspiração… Não temos nada, nada, que nos ajude contra o Corona e, agora estamos nesta situação”.
A anedota nunca foi ingénua, daí a expressão latina “ridendo castigat mores” [o riso castiga os costumes], como demonstra a rábula de RAP. Também o Papa Francisco denuncia, a seu modo, os que correm atrás da magia. Quantos de vocês não vão atrás do tarô, de ler as mãos e, das cartomantes? Adivinhar o futuro, ou adivinhar muitas coisas, ou mudar as situações da vida, isto não é cristão. Se a graça de Cristo tudo nos dá, rezemos e, confiemos apenas no Senhor.
Há quem diga que o humor é coisa pouco séria. James Martin, padre Jesuíta, refere que o humor é uma dádiva espiritual. Ora, haverá algo mais elevado do que a espiritualidade? Para ele o humor tem três portas: revelar a verdade, aumentar a compreensão e, não prejudicar.
Assim, o humor não é fantasia, pois para ser bom tem que ser verdadeiro. Não é apenas distensão e relaxamento, tem de ajudar a discernir e, ampliar os conhecimentos sobre a realidade. Não deve ser sarcástico e corrosivo! O ator Leandro Hassun diz que o humor não é para agredir, ou ofender, mas para se reinventar, obedecendo ao bom senso. O bom humor é harmonia, mas não é água tépida, necessita ter algo mais, “cum grano salis” [com uma pitada de sal], a tal dose de humor e malícia, pois para que serve o sal senão produz efeito [Mt. 5, 13]. Já “a arrogância precede a ruína, e o espírito altivo, a queda” [Prov. 16, 18].

Edição
3775