Henrique Ferreira

Professor

Um Portugal que julgava já não existir

O Coronavírus-02 e a Covid-19 permitiram-me redescobrir um país que julgava já não existir.
A ondas de solidariedade emocional, económica, social e de ajuda aos profissionais de saúde e restante pessoal da «linha da frente» impressionaram-me pela sua genuinidade, pela sua generosidade e pela sua manifestação de valores cristãos católicos e de solidariedade.
Sabia pela experiência da guerra que «a união faz a força» e que existe coesão quando é «um por todos e todos por um».


Olhar a crise: mudar de vida

Este texto trata da descrição de dois aspectos do que será a crise provocada pela Covid-19, a tal pneumonia que pode conduzir à asfixia do sistema respiratório e da crise ambiental que já existe.
Não sabemos nem o número de vítimas mortais que a Covid-19 vai provocar nem o tempo que a infeção vai estar instalada e nem sequer sabemos o tempo que o vírus pode permanecer vivo e em que condições morre.


Coronavírus, o mensageiro da guerra por procuração

Donald John Trump, Presidente dos EUA, quis «tornar a América grande, outra vez». Para isso, em finais de 2016, numa das suas estratégias mais arriscadas, quis mostrar à China que podia, unilateralmente, mudar as regras do comércio recíproco e, por ricochete, também as do comércio com a UE.
As retaliações da China não se fizeram esperar e Trump lá conseguiu um acordozito que não o envergonhasse muito perante os americanos. Os Europeus, como sempre, desde a II Guerra Mundial, nada fizeram.


Deixa-me amar-te até ao fim

O Parlamento Nacional Português, designado oficialmente por Assembleia da República, autorizou-se a despenalizar a Eutanásia. Para isso, incumbiu os deputados nacionais membros da Comissão de Direitos, Liberdades e Garantias da mesma Assembleia, de integrarem os diferentes projetos aprovados e redigir uma proposta final de despenalização a discutir pelo Plenário de Deputados.


Deixa-me amar-te até ao fim

O Parlamento Nacional Português, designado oficialmente por Assembleia da República, autorizou-se a despenalizar a Eutanásia. Para isso, incumbiu os deputados nacionais membros da Comissão de Direitos, Liberdades e Garantias da mesma Assembleia, de integrarem os diferentes projetos aprovados e redigir uma proposta final de despenalização a discutir pelo Plenário de Deputados.


A Comissão Diocesana Justiça e Paz da Diocese de Bragança-Miranda

As comissões diocesanas Justiça e Paz são um órgão de cada uma das dioceses cristãs católicas. São constituídas por leigos e leigas, em número indeterminado, e por um sacerdote na qualidade de assistente espiritual. O número de leigos depende da nomeação pelo responsável de cada Diocese.
As comissões diocesanas Justiça e Paz respondem perante duas instâncias superiores: a Comissão Nacional Justiça e Paz e o Bispado da Diocese respetiva.


Dar sentido à morte de Luís Giovani

Luís Giovani dos Santos Rodrigues, Cabo-Verdeano de 21 anos a estudar no Instituto Politécnico de Bragança não pode ter morrido em vão. Temos de dar sentido à sua morte, injusta e violenta.
Na cultura do Estado Democrático, de matriz cultural cristã, aproveitamos as injustiças para tornar a sociedade mais justa e, em casos como este, mais tolerante e mais educadora dos intolerantes. Ao mesmo tempo, procuramos fazer justiça com as leis do Estado Democrático Legítimo. Essa justiça é necessária para evitar os sentimentos de revolta e impunidade.


pub_edp-home