Márcio Santos

Meteo Trás-os-Montes

“Em dia de S. Matias (24) começam as enxertias.”

O mês de fevereiro ao contrário dos anteriores, alcançou rapidamente a média de precipitação, até ao dia 12 a estação de referência de Bragança não apenas alcançou a media como a superou, vejamos os dados, a quantidade média de precipitação segundo as normais climatológicas 1971-2000 é de 75 litros por m2, a quantidade recolhida já era de 122.9 litros por m2, um desvio positivo muito significativo e importante, afinal já se trata do último mês do inverno meteorológico.


“Se o Inverno não faz o seu dever em Janeiro, faz em Fevereiro.”

Arrancou o terceiro e último mês do inverno meteorológico sem grandes novidades em termos meteorológicos em relação ao que vivemos na segunda quinzena de janeiro, continuamos com um regime zonal caracterizado por fluxos atlânticos húmidos e amenos que deixam dias muito cinzentos na nossa região, alguma precipitação em especial em zonas montanhosas e temperaturas relativamente altas para a época.


“A 20 de Janeiro, uma hora por inteiro e quem bem contar, hora e meia vai achar.”

egundo o IPMA, o mês de dezembro, em Portugal continental, classificou-se como frio em relação à temperatura do ar e normal em relação à precipitação. Verificaram-se os seguintes valores médios da temperatura do ar, a temperatura média: 9.75 °C, -0.21 °C em relação à normal 1971-2000; temperatura mínima: 5.85 °C, -0.20 °C em relação à normal e a temperatura máxima: 13.66 °C, -0.23 °C em relação à normal.


“Três semanas antes do Natal, Inverno geral.”

Já é inverno, em meteorologia, a estação mais fria do ano começa do dia 01 de dezembro e será substituída pela primavera no dia 01 de março, não devemos confundir com o inverno astronómico, esse só arrancará no dia 21 de dezembro, o tamanho cada vez menor dos dias, não deixa margem para dúvidas, estamos perto, muito perto do mínimo anual de horas de luz solar no hemisfério norte.
 


“Pelo Santo André (30/11), neve no pé”

A última semana foi caracterizada pelas condições meteorológicas variáveis, contudo, tivemos um claro domínio das altas pressões, com tempo maioritariamente estável em toda a região e temperaturas anormalmente elevadas para a época do ano, continuamos sem registar geadas significativas e generalizadas em todo o nordeste transmontano, os típicos nevoeiros de inverno, encaixados nos vales dos principais rios, voltaram a aparecer e foram persistentes em alguns dias.


“O Verão de São Martinho, a vareja de São Simão e a cheia de Santos são três coisas que nunca faltaram nem faltarão.”

Outubro está a chegar ao seu final e já é possível fazer um balanço ainda que provisório do segundo mês do outono meteorológico na nossa região. Olhando os dados provisórios disponibilizados pelo IPMA, podemos concluir que este período foi, no que toca às temperaturas, muito variável e húmido no que toca à precipitação.


Assinaturas MDB