Diocese de Bragança-Miranda

Retiro do Clero foi orientado por bispo auxiliar emérito do Porto

Publicado por Redação em Qui, 2020-09-17 15:19

Promovido pela Vigararia Episcopal para o Clero, decorreu, de 7 a 10 de setembro, no Seminário de S. José, em Bragança, o Retiro Anual do Clero da Diocese de Bragança-Miranda.

Este retiro foi orientado por D. António Bessa Taipa, Bispo-auxiliar emérito da Diocese do Porto e contou com 17 sacerdotes da Diocese.

Em tempo de pandemia, este retiro foi marcado pelas fortes medidas de prevenção e segurança implementadas devido à covid-19, que incluíram medidas como:
• Tapetes para desinfeção e secagem do calçado, à entrada;• Avaliação e registo da temperatura corporal, todos os dias, aos participantes;• Kit (máscara + gel desinfetante de bolso e luvas) entregue a cada participante;• No extenso refeitório foi atribuída uma mesa a cada sacerdote para a realização de todas as refeições.
As mesas estiveram com distanciamento de 2,5m; • Na Igreja: durante as celebrações (eucaristia, laudes, vésperas) cada sacerdote ficou sempre no mesmo banco (identificados nas extremidades); • No auditório (onde decorreram as reflexões) houve um distanciamento entre 2,5m e 3m;• Dos 17 participantes apenas 10 pernoitaram no Seminário, todos em quartos individuais e com casas de banho privativas; • Uso obrigatório da máscara em todos os momentos; • Todos os espaços foram higienizados diariamente, incluindo a Igreja.

Relativamente ao retiro, D. António Taipa abordou a crise que se vive atualmente como tempo de esperança. “Quando me contactaram, estávamos em plena pandemia. Tenho um colega que às vezes me dizia que uma coisa destas, com estas dimensões, tem dedo de Deus.Vim falar disso. Olhar para a pandemia como uma grande crise nossa. Revelou muito do Homem, como capacidade de se dar, capacidade de trabalhar. É um tempo que se projeta muito para o futuro. Fui à Sagrada Escritura buscar momentos fortes de crise, dos quais nasciam grandes esperanças. Este é um tempo duro mas há de ser lido, também, como um tempo de esperança. O com-plicado é descobrir o que Deus espera de nós. Foi à volta disto que andei. Correu bem. Também não é um número grande de padres, o que se entende. Mas reagiram bem”, frisou o bispo auxiliar emérito do Porto, realçando que o distanciamento social “proporcionou uma reflexão muito maior e que o retiro pudesse ser mais interiorizado e interiorizante”, concluiu.