Henrique Ferreira

Professor

A Comissão Diocesana Justiça e Paz da Diocese de Bragança-Miranda

As comissões diocesanas Justiça e Paz são um órgão de cada uma das dioceses cristãs católicas. São constituídas por leigos e leigas, em número indeterminado, e por um sacerdote na qualidade de assistente espiritual. O número de leigos depende da nomeação pelo responsável de cada Diocese.
As comissões diocesanas Justiça e Paz respondem perante duas instâncias superiores: a Comissão Nacional Justiça e Paz e o Bispado da Diocese respetiva.


Dar sentido à morte de Luís Giovani

Luís Giovani dos Santos Rodrigues, Cabo-Verdeano de 21 anos a estudar no Instituto Politécnico de Bragança não pode ter morrido em vão. Temos de dar sentido à sua morte, injusta e violenta.
Na cultura do Estado Democrático, de matriz cultural cristã, aproveitamos as injustiças para tornar a sociedade mais justa e, em casos como este, mais tolerante e mais educadora dos intolerantes. Ao mesmo tempo, procuramos fazer justiça com as leis do Estado Democrático Legítimo. Essa justiça é necessária para evitar os sentimentos de revolta e impunidade.


Lembrança da memória

A PSP informou que o ambiente de alarmismo que se gerou na cidade de Mirandela na semana passada relacionado com boatos sobre supostas tentativas de sequestro de jovens estudantes, que tiveram milhares de partilhas nas redes sociais, não têm fundamento. Os boatos levaram dezenas de pessoas a contactar as autoridades, na tentativa de obter esclarecimentos. No entanto, não há motivo para o alarme social criado.


O atasco espanhol

Na tradução de «atasco», em Espanhol, para Português resulta: engarrafamento, impedimento, demora, impasse.
Atasco é o que resultou pela quarta vez em quatro anos de outras tantas eleições legislativas. Só que, lá, a assembleia nacional chama-se Cortes ou Congreso de los Diputados.


O Governo do pós-desamor

Tomou posse no passado dia 26 de Outubro, entre as 11h00 e as 13h00, o XXII Governo Constitucional da III República Portuguesa (o regime em que vivemos desde 2 de Abril de 1976 *).
Bate o recorde da rapidez de tomada de posse de um Governo, depois das respectivas eleições.
Também bate o recorde do número de mulheres ministras, oito.


Virá o diabo à quarta partitura a solo do PS?

As eleições legislativas são um método para escolher governantes e representantes no parlamento nacional, de entre candidatos apresentados por partidos. A escolha é feita por cidadãos que gozam de liberdade de voto (podem ou não ir votar) e no voto (podem escolher quem entenderem).
Em 6 de Outubro de 2019, estavam registados 10.819.000 eleitores, 9.343.486 dos quais no Continente e Ilhas e os restantes no estrangeiro (europa e resto do mundo).


Aos votos, minha gente, aos votos!

Este artigo ainda chegará às bancas dos jornais antes do fim da campanha eleitoral para as eleições legislativas de 6 de Outubro de 2019. Por isso, vale a pena falar destas eleições, sobretudo apelando às pessoas para irem votar.
Cada pessoa, individualmente, é detentora do direito de depositar, secretamente, o seu voto em quem gostaria que a governasse e sobre quem gostaria que a representasse na Assembleia da República. No final, aquele e aqueles candidatos que juntarem mais opiniões favoráveis, recebem o mandato ou de governar e de representar ou só o de representar.