A opinião de ...

Resposta a Luís Afonso

As declarações proferias pelo Dr.º Luís Afonso, empresário de Bragança, a propósito de um anunciado investimento empresarial na cidade, são um insulto do Presidente da Assembleia Municipal Dr.º Luís Afonso aos brigantinos.
O facto de serem a mesma pessoa só não espanta, pelos vistos, o PSD de Bragança.

“Bragança vai ter uma fábrica de produção de máscaras cirúrgicas e equipamento de proteção individual, FP2 e FP3, dentro de pouco tempo. Trata-se de um projeto que envolve um investimento de vários milhares de euros, da responsabilidade do empresário Luís Afonso, que aguarda a aprovação da candidatura ao Norte 2020.
(…)
"No mês passado contratei sete pessoas, três para Bragança, e as restantes para Lisboa, Alentejo e Braga. Tinha a intenção de trazer o armazém para Bragança, onde tenho um terreno junto ao matadouro, o que implicava mais cerca de 30 postos de trabalho, mas desisti porque me chatearam muito com uma notícia relacionada com um terreno junto ao ISLA, com a qual tentaram difamar-me. Infelizmente, os vereadores do PS prestaram um mau serviço à cidade e ao concelho.
Luís Afonso, Mensageiro de Bragança, QUI, 23JUL2020

Quando um empresário, do alto da prepotência arrogante dos deslumbrados com o dinheiro, anuncia a uma cidade inteira que a vai privar de um investimento empresarial capaz de dar emprego a 30 famílias que integram essa comunidade, porque alguém o terá “chateado muito”, estamos perante uma birra infantil.
Uma bizarria. Um desvio de comportamento pouco aceitável em adultos responsáveis.
Não será muito comum, - eu confesso que não me lembro de uma coisas destas ter alguma vez acontecido nalgum lugar -, mas ter-se—á de admitir como sendo daquelas coisas que acontecem por muito absurdas que efectivamente sejam.
Quando esse empresário é simultaneamente Presidente da Assembleia Municipal dessa cidade, a coisa ganha contornos que só podem suscitar a maior apreensão quanto ao estado da vida democrática que se vive no local dos acontecimentos, digamos assim.

O “empresário Luís Afonso” – assim referido ao longo de toda a notícia (também referido na variante “empresário e veterinário”) tem todo o direito de seguir uma vida empresarial votada aos negócios e aos investimentos. O que o Dr. Luís Manuel Madureira Afonso, Presidente da Assembleia Municipal de Bragança, já não tem direito é a confundir a sua vida privada com os assuntos públicos que lhe foram confiados pelos cidadãos eleitores que não são, necessariamente, seus parceiros de negócios.
Ora, é exactamente esta confusão inadmissível entre as duas funções que perpassa em toda esta bizarria em forma de notícia publicada na passada quinta feira no jornal Mensageiro de Bragança e na qual, o Dr. Luís Afonso, na mesma peça jornalística em que aparece referido e mencionado apenas como “empresário” - ou “veterinário e empresário” - surge, de repente, a carpir mágoas e lamentações alegadamente decorrentes e relacionadas com o exercício das funções de Presidente da Assembleia Municipal de Bragança.

Mágoas e lamentações que à boa maneira bíblica lhe servem de pretexto para “ justificar“ a chantagem que resolve lançar sobre toda a cidade.
Um anátema sobre os impuros que não se indignaram perante as ofensas que lhe terão sido dirigidas.
Isto seria, de facto, cómico ou caricato se não fosse grave.
O Dr. Luís Afonso fez aquelas lamentáveis (e algo revoltantes, diga-se) declarações de ameaça e chantagem na dupla veste de empresário-investidor e Presidente da Assembleia Municipal E isso, por si só, é simplesmente inadmissível.

O exercício das honrosas e prestigiantes funções de Presidente da Assembleia Municipal pressupõem e exigem qualidades pessoais e políticas assentes numa sólida formação democrática e ancoradas naqueles valores perenes que constituem as virtudes republicanas: altruísmo, sentido do bem comum, defesa intransigente do prestígio das instituições que se integram. Máxima dignidade e respeito pelas funções exercidas.

Ora a primeira regra a observar no cumprimento destes deveres básicos, é não confundir o plano pessoal com o plano profissional.
É preservar as funções públicas de quaisquer contaminações decorrentes da vida pessoal e profissional. É praticar e exercer sem quaisquer desvios ou cedências a chamada ética republicana.
Valores que, ao que parece, são estranhos ao Dr. Luís Afonso.

Tudo isto é lamentável. E seria muito dispensável. Mas por outro lado, é clarificador. E isso, em democracia, convenhamos, acaba por constituir um aspecto positivo. Ou menos mau.
Assim se percebem melhor todos os obstáculos que o Presidente da Assembleia Municipal de Bragança coloca à viabilização de propostas e iniciativas do PS tendentes a melhor a eficácia da Assembleia à qual estão cometidas importantes funções de fiscalização da actuação do município.
Assim se percebe melhor o quanto o presidente da Assembleia Municipal de Bragança se tem esforçado por fazer do órgão uma mera caixa de ressonância do executivo.
A este respeito, não deixa de ser algo irónico que num momento histórico em que todos somos convocados a andar de máscara, o Dr. Luís Afonso tenha revelado a sua verdadeira face.
A face de um pequeno déspota em potencia que não hesita em usar os meios privados de que dispõe para de forma mesquinha exercer uma vendeta sobre toda uma cidade e que priva 30 famílias de um posto de trabalho. Numa época destas! No dealbar daquela que se anuncia como a maior crise económica e financeira de todos os tempos. É preciso topete.
O PSD de Bragança apresentou-se às últimas eleições autárquicas sob o lema “as pessoas em primeiro”.
É tempo de ficar claro que as pessoas que estão em primeiro, para o PSD de Bragança, são as que integrem o respectivo séquito político. As outras, ficam no desemprego. Por ressabiamento.
Se assim não fosse, já o PSD de Bragança se teria demarcado destas declarações e já teria pedido ao empresário Luís Afonso que fizesse uma opção de vida.

Dinis Costa
Líder do Grupo Municipal do Partido Socialista na Assembleia Municipal de Braganç

Edição
3792