A opinião de ...

O Hospital no bolso E o Enfermeiro no telefone

Quando há três meses escrevi neste mesmo jornal sobre os avanços tecnológicos que irão, brevemente disseminar os cuidados médicos e banalizar os exames clínicos, estava muito longe de imaginar o estado da arte no nosso país onde, a título experimental (também nos exemplos referidos anteriormente), já há avanços consideráveis, inovadores e de grande maior valia. A jovem empresa siosLIFE, uma start up incubada na Universidade do Minho, tem já um historial consistente no apoio aos mais idosos com um cardápio de vários produtos cujo desenvolvimento permite o seu uso, de forma fácil para idosos com pouca agilidade manual e, inclusive, sem necessidade dessaberem ler e escrever. Para além de jogos didáticos, estimuladores da memória e até do exercício fisco, permite-lhes vodeochamadas e outras aplicações, muitas delas com gestão por comandos de voz. O último projeto, financiado pela União Europeia, através do Norte2020 dá pelo nome de Senior Inclusive e propõe-se proporcionar aos mais idosos um envelhecimento com qualidade de vida. A siosLIFE desenvolveu, em parceria com o PIEP (Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros), o CCG (Centro de Computação Gráfica) e a Universidade do Minho, um telefone inteligente e de elevada capacidade de execução de uma série de tarefas. O interface físico é um tablet que, tem um aspeto muito parecido ao de um telefone tradicional com um ecrã. Este equipamento está conectado a uma pulseira e a vários aparelhos de medição de parâmetros de saúde. O programa operacional é personalizado de acordo com o perfil dos utentes e com as necessidades concretas e específicas destes. Permite, com um simples toque num botão colorido no ecrã, efetuar chamadas, para o médico pessoal, para o enfermeiro, para o cuidador ou para um parente próximo. Depois de parametrizado apoia o idoso na toma correta dos medicamentos. O usuário aproxima a caixa do medicamento do aparelho, este reconhece a embalagem e informa de que se trata e qual a hora a que deve ser tomado. Se houver o cuidado de assinalar no sistema cada vez que se toma um comprimido este poderá, posteriormente informar se ainda está em falta ou se já foi tomado sendo uma preciosa ajuda para os casos de dificuldades de memória. Em casos de emergência, basta um simples levantar do auscultador.
A pulseira permite detetar quedas e outras situações de emergência provocando uma chamada de emergência para um número pré-definido.
É possível levar a cabo alguns cuidados médicos e de enfermagem através de videochamada e com recurso aos equipamentos de análise integrados.
O admirável mundo novo está aí mesmo, ao cimo das escadas e já está a bater à porta!

Edição
3739