A opinião de ...

A Espanha aqui ao lado

Há um taleigo de anos, fui a Rio de Onor, levava a ânsia de ir ao estrangeiro, tinha catorze anos. Uma corrente presa a dois blocos de pedra, um de cada lado, delimitava a fronteira. Para o lado de cá um P, para o lado de lá um E, significavam as duas letra a delimitação dos dois países. Bebi uma laranjada muito doce, trouxe rebuçados. Nada mais, mas tinha ido a Espanha. Nesta altura conheço razoavelmente a Pátria de grandes génios, santos, escritores, pintores e demais figuras relevantes daquele País, a própria Nação, gosto dela, não gosto do Duque de Alba, muito menos de Torquemada e Franco.
Tenho sido feliz na Espanha de Unamuno, de Quixote, de Rosalia de Castro, personalidades opostas as de Torquemada, Duque de Alba picoteiro nos Países Baixos e o sinistro Milan Astray, todas estas figuras me assolam a minha mente pensando na ironia do célebre reitor da Universidade de Salamanca quando dizia a Guerra Junqueiro sermos relapsos a boa organização e melhor governo do País, pois os espanhóis estão e continuarão a estar num beco político sem saída dado os resultados das eleições gerais do último domingo não serem esclarecedores, antes pelo contrário, tal como em 1936 o País está dividido num crescendo da extrema-direita.
Voltar à bela e por isso mesmo convidativa Barcelona não me agrada, há anos era possível construir jocosidades referentes à união de catalães com castelhanos, enaltecer os conhecimentos gastronómicos de Josep Pla, referir as excentricidades de Gala e os bigodes de Salvador Dali, agora não, o radicalismo transtornou o ambiente na Catalunha, o perigo de envenenar toda a Espanha é real, meio milhão de mortos na Guerra civil são péssimo exemplo do desvario desses mesmos dois blocos na véspera da II guerra mundial. A velha Europa carcomida pela corrupção, desarmada e preguiçosa não detém forças e força moral capazes de susterem um conflito entre nuestros hermanos. Esta é a verdade!
A Espanha aqui ao lado está à beira do abismo. Tenho esperanças que não caia nele.

Edição
3756