FUTEBOL DISTRITAL

“Sou um avançado que dá prioridade aos objetivos coletivos.”

Publicado por Guilherme Moutinho em Sáb, 2020-07-04 15:19

Tiago Mendes, avançado de 23 anos, é uma referência incontornável do Distrital brigantino. Esta temporada, ao serviço do Macedo de Cavaleiros, voltou a mostrar a sua qualidade ofensiva com 12 golos e 8 assistências. O “Mantorras” de Bragança, em entrevista ao Mensageiro, fala da sua herança étnica e dos seus objetivos futebolísticos.

 

MdB - Como iniciou a tua ligação ao futebol?

TM - Bem, antes de mais queria saudar-te e agradecer-te por tudo aquilo que fazes pelos jogadores da região, é importante para nós saber que o nosso trabalho está a ser observado e isso deixa-nos mais motivados para continuar a trabalhar mais e melhor.
A minha ligação com o futebol iniciou desde muito cedo, lembro-me bem com 4 ou 5 anos andar na rua aos pontapés à bola contra as paredes no bairro. Desde criança que a única coisa que eu queria era ter uma bola e ir jogar sozinho ou com os rapazes mais velhos para o campo do bairro.

MdB - Esta temporada do Campeonato Distrital fica marcada pela pandemia do COVID-19. Como foi receber a notícia do cancelamento do Campeonato à 15ª jornada?

TM - Confesso que percebi perfeitamente o porquê de ter que ser cancelado, devido a um mal maior que ultrapassa não só o futebol como todas as outras atividades do mundo inteiro.
Por outro lado, triste porque estava na minha melhor fase da temporada e sentia que poderia ajudar ainda mais o clube.

MdB - Terminaste esta época com 12 golos. Sentes que era possível repetir a marca dos 20 golos realizados na temporada transata ao serviço do Argozelo?

TM - Quando se deu o campeonato por cancelado tinha 12 golos e 8 assistências em 17 jogos, e sim, sentia semana após semana, jogo após jogo que ia conseguir números superiores aos da época transata. Sentia-me bem nos treinos e nos jogos, estava a trabalhar bem durante a semana e sentia que as coisas estavam a fluir naturalmente.

MdB - A tua relação com o golo acompanhou a afirmação da tua, ainda curta, carreira. Sentes que é altura de novos desafios?

TM - Sim, felizmente desde pequeno que terminei sempre as épocas com os objetivos cumpridos, em termos individuais.
Sempre me foi incutido, desde criança, que teria que aprender com o que correu menos bem no jogo e não me focar naquilo que correu melhor. Felizmente essa maneira de pensar sempre me acompanhou, por isso sou muito exigente comigo e nunca estou em zonas de conforto.
Foi com esse pensamento que cresci e é com esse pensamento que irei continuar até ao fim.
Apesar de ter 23 anos, ambiciono ainda vir a ser jogador de futebol profissional. É um sonho que tenho em mim desde sempre e que terei até que o meu corpo assim me permita.

(Artigo completo disponível para assinantes ou na edição impressa)