A opinião de ...

Os de Umbigo Inchado…

Neste louco momento pandémico, neste horrível atravessar sinuoso do desconhecido, nesta ditadura do silêncio e quietude que encapsulou a humanidade, colo-me à janela no observar do mundo. Daqui, por detrás do vidro, confinado, cumpridor, respeitando a virulência da covid19, tento antever a nova normalidade, o que nos espera, o que aí vem.
Lá fora, leio as viaturas amontoadas que me informam que algo assustador anda à solta, invisível, pronto a atacar no virar da esquina, vindo de um qualquer abraço, de um beijo de amante, de preces nos templos, de um vulgar copo na mesa de um café. As ervas crescem despreocupadas nos buraquitos dos passeios e calçadas, os passeadores de cães, silhuetas solitárias fantasmagóricas, erram cheios de infindável tempo e eu, empanturrado de informação, num gigantesco esforço na separação do trigo do joio, das reais e falsas notícias, interrogo-me no regresso à vida.
Quarentena, ventiladores, assintomáticos, máscaras cirúrgicas, confinados, cordão sanitário, viseiras, máscaras sociais, medicina intensivista, são referências deste cocktail pandémico, do arranque de 2020, os mesmos que explicarão o maior trambolhão económico e financeiro da história da humanidade. Estes termos, que já deram a volta ao globo, serão o fertilizante do desastre social, ainda abafado, pronto a eclodir.
A velhice, mediana horizontal comum a todas as profissões, atrapalha o momento. Porque é hora de desconfinar veremos, expectando, as reações dos batedores de palmas aos da linha da frente. Lá, nessa frente, do pessoal da limpeza aos médicos passando por plêiade de profissões, estarão, com toda a certeza, os da idade de risco, carregados de morbilidades, estando lá, ouvindo os aplausos que das varandas foram chegando.
Mas vai ser agora, no regresso ao trabalho, no puxar da cortina de cena, que o filme se vai desenrolar. Assistiremos, em tempo real, ao comportamento das profissões que sempre se agregaram, protegendo-se, no grande grupo das Corporações. Acredita-se que a idade vai ser esgrimida como recusa, mostrando ao mundo a falsidade das palmas que ecoaram nos silêncios das noites tornando, uma vez mais, a solidariedade uma palavra vã.
Mas, em crescendo, avolumando-se escondida, catástrofe acantonada, alimentada com injeções de momento, a miséria, está na iminência de eclodir, de nos arrepiar na exposição. Estimam-se quinhentos mil desempregados a prazo, todos do sector privado, arrastando milhares de crianças e Famílias, uma vez mais, para o arrepiante fosso da desigualdade.
E é agora que assistiremos ao comportamento dos nervos de aço dos decisores políticos pois que a batalha, como sempre, vai começar, pelo assalto aos parcos recursos. De um lado a miserável vida dos desempregados e famílias, do outro, os do costume, os de sempre, Os de Umbigo Inchado…

Edição
3782